Ivanildo Buarque.

A Inteligência de Negócios, uma das três revendedoras master das soluções de análise de dados da Qlik no Brasil, acaba de abrir uma unidade em Belém, no Pará.

O novo escritório é comandado por Edilon Albuquerque, que também é gerente da NGN, companhia especialista em tecnologia para o meio educacional e foi gerente de TI da Universidade da Amazônia.

A abertura da filial paraense é mais um passo da expansão da IN na região Norte e Nordeste, na qual a empresa ingressou em 2010 com uma filial em Recife, seguida de outra em 2014 em Salvador.

A empresa fechou o ano passado com um faturamento de R$ 39 milhões, no qual os clientes do Nordeste foram responsáveis por 15%. A região cresce acima da média: 50% no ano passado, frente a 19% do total do país.

“A partir de nossos parceiros, atendemos tanto empresas privadas quanto públicas. A força destas últimas para as vendas é muito forte, mas também podemos destacar clientes das áreas de distribuição, hotelaria e varejo”, explica Ivanildo Buarque, gerente da filial de Recife.

Segundo o executivo, a atuação da IN com o setor público chega aos 60% do quadro de clientes e o objetivo é manter o mesmo nível em 2016.

No Pará, a abordagem deve ser similar. Albuquerque foi gerente de TI Prodepa, estatal de processamento de dados estadual do Pará por sete anos durante os anos 80.

Para 2016, a metade da IN é elevar a receita em 30%, atingindo R$ 50,7 milhões.

Ao todo, a IN tem mais de 550 clientes e filiais em Porto Alegre, Recife, Salvador e Brasília. 

Dos distribuidores da Qlik no país, só a IN abre dados de faturamento. As outras duas, a catarinense Toccato e a paulista Nórdica, abrem apenas o número total de clientes na faixa de 600 e 500 clientes segundo os últimos dados disponíveis.