Entre as infirmações, estão até dados aproximados de localização. Foto: Yeamake/Shutterstock.

Alguns terceirizados da equipe de segurança do Twitter, incluindo funcionários da Cognizant, teriam espionado contas de celebridades, como a cantora Beyoncé, enviando bilhetes falsos de suporte técnico.

De acordo com o site Bloomberg, o reporte revela brechas na política interna da empresa, que permite o amplo acesso a informações pessoais, como números de telefone, endereços de email e dados aproximados de localização.

A equipe, composta por 1,5 mil funcionários e prestadores de serviços, teria o acesso apenas a fim de monitorar as contas em relação a fraudes e violações de conteúdo.

A Cognizant, que continua trabalhando com o Twitter, recusou-se a comentar.

Em um email para o Business Insider, um porta-voz do Twitter disse que a empresa não tolera o uso indevido de ferramentas internas e que isso pode resultar em rescisão, mas se recusou a comentar os casos específicos relatados pelo Bloomberg.

Há cerca de duas semanas, outra falha na segurança da rede social chamou atenção. 

Contas de dezenas de figuras públicas, como Bill Gates, Jeff Bezos, Elon Musk e Barack Obama, foram atacadas por hackers para aplicar um golpe que arrecadou US$ 110 mil em bitcoins.

"Detectamos o que acreditamos ser um ataque de engenharia social coordenado por pessoas que tiveram sucesso ao tomar alguns de nossos funcionários, com acesso a sistemas internos e ferramentas, como alvos ", informou o Twitter na época.

Em 2017, um contratado que trabalhava com a divisão de confiança e segurança do Twitter conseguiu encerrar a conta de Donald Trump por 11 minutos.

No ano passado, dois ex-funcionários do Twitter foram acusados pelo departamento de justiça de espionar a Arábia Saudita ao extrair informações pessoais de contas.

Ainda de acordo com o site, os funcionários levantaram preocupações semelhantes em relação às medidas de segurança interna do Twitter em várias ocasiões desde pelo menos 2015, inclusive ao conselho de administração.

Segundo os funcionários, as correções teriam sido colocadas em segundo plano para priorizar projetos de engenharia focados em trazer mais retorno financeiro para a empresa.