STARTUP

Syos recebe aporte da KPTL

28/07/2020 10:32

Investimento com recursos do fundo Criatec 3 pode chegar a R$ 10 milhões e será pago em prestações.

Paulo Lerner, CEO da Syos. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Syos, startup carioca que monitora geladeiras comerciais utilizando soluções de internet da coisas e analytics, vai receber um aporte da KPTL que pode chegar a R$ 10 milhões, a ser pago em prestações. 

A companhia não abriu o valor do primeiro pagamento ou a quantidade de transferências a serem realizadas. Os recursos são do fundo Criatec 3, criado pelo BNDES e gerido pela KPTL. 

Com surgimento em 2019, a Syos foi fundada por Paulo Lerner, que atua no setor de IoT há mais de 10 anos. Ela nasceu como uma spin-off da THINC, empresa de telemetria para redução de custos de frota presente no mercado desde 2005.

Lerner começou a empreender desde que terminou a graduação em engenharia de produção, na PUC do Rio. Além das duas empresas, tem no currículo Kleintech e Rewinery.

Para colaborar na criação da Syos, o fundador chamou Luiza Gazola, profissional com mais de 10 anos de consultoria liderando cientistas de dados, para montar o time de inteligência artificial e trabalhar em algoritmos de manutenção preditiva e analytics avançado. 

Além dela, também contratou Carlos Bugs, engenheiro especializado em hardwares de IoT e sensoriamento, com longa vivência na criação e industrialização de tecnologias. 

Já Patricia Frajhof, profissional atuando há mais de 10 anos em grandes empresas nas áreas de relações com investidores e tesouraria, comanda a área financeira e de operações da startup.

O foco inicial de atuação da Syos é no monitoramento de geladeiras comerciais para o setor de alimentos e bebidas, com o objetivo de evitar o mau funcionamento dos refrigeradores.

Com uma operação incorreta, os equipamentos podem prejudicar a qualidade dos produtos, oferecer riscos de contaminação e levar a episódios de intoxicação alimentar, além de gerar desperdício de comida, custos altos de manutenção e energia.

“Um refrigerador comercial é um ativo de baixo custo, com pouca automação e inteligência. Porém é um ativo que movimenta muito dinheiro. Pela nossa experiência, ele vende mais, custa menos e funciona melhor quando está sendo monitorado e gerido de forma inteligente. Há muita oportunidade de negócio ali”, explica Paulo Lerner, CEO da Syos. 

Por meio da instalação de hardware proprietário, sem a necessidade de geladeiras novas, a companhia trata, analisa e publica dados coletados em aplicativo mobile e plataforma web, além de gerar alarmística utilizando inteligência artificial e machine learning.

A base do sistema é um sensor sem fio que é colado no refrigerador e captura as principais informações do equipamento, como temperatura, abertura de porta e posicionamento.

Em seguida, essas informações são transmitidas para uma plataforma analítica que as processa e entrega os dados e alarmes necessários, permitindo o monitoramento e a gestão dos ativos em campo.

A startup já conta com clientes como Coca-Cola, Grupo Big, Imbera e Green Yellow. Atualmente, os equipamentos da startup já estão em mais de 30 mil refrigeradores da Coca-Cola Brasil afora.

Para a KPTL, o destaque da Syos está em seu histórico e potencial de escalabilidade. 

“Os principais clientes da Syos são empresas com milhares de refrigeradores e que contratam uma solução completa. Desde sensores dentro das geladeiras até algoritmos de machine learning para realizar manutenção preditiva. A Syos é pura tecnologia, tem um incrível ativo proprietário e é nisso que acreditamos”, afirma Renato Ramalho, CEO da KPTL.

Segundo a Associação Brasileira dos Supermercados (Abras), o Brasil tem cerca de 40 mil estabelecimentos desse tipo, com uma média estimada em cerca de 50 refrigeradores por loja. Neste contexto, o problema de má refrigeração gera prejuízos de mais de R$ 800 milhões ao ano.

Assim, o potencial de mercado total da Syos apenas em supermercados seria de 2 milhões de unidades de ativos, ou R$ 500 milhões anuais. Entre outros potenciais clientes, enquadram-se restaurantes, lojas de conveniência, lanchonetes, farmácias, hotéis e hospitais.

A KPTL é uma gestora de Venture Capital com ativos na ordem de R$ 1,2 bilhão e 48 empresas investidas. Sediada em São Paulo, a empresa tem seis escritórios espalhados pelo Brasil e um em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Fundada a partir da fusão entre Inseed Investimentos e A5 Capital Partners, a empresa é gestora do fundo Criatec 3, criado pelo BNDES em 2016.

Com atuação nacional, o Criatec 3 conta com mais 10 cotistas além do BNDES e já fez mais de 20 investimentos em startups de diversos setores como agronegócio, energia, mídia, varejo e tecnologia da informação.

Veja também

ENERGIA
Solfácil recebe aporte de R$ 21 milhões

Valor Capital Group e investidores anjo apostaram na startup que financia painéis solares residenciais.

MEDIDAS
AMcom: volta ao escritório só com vacina

Empresa de Blumenau vai manter home office até surgir uma vacina para a Covid-19.

TENTATIVA
Ceitec, mais barato aberto que fechado?

Funcionários dizem que fechar custa R$ 300 milhões e que é mais negócio esperar entrar no azul.

EDUCAÇÃO
Unicesumar monitora redes sociais com Stilingue

Plataforma funciona como uma fonte de dados permanente para decisões estratégicas nas páginas.

RECURSOS
Trybe compra Codenation

As duas empresas atuam com formação de mão de obra, ainda que de maneira diferente.

INVESTIDA
Valid entra em ERP para prefeituras

Companhia comprou a Mitra, que tem clientes como São Caetano e Santo André.

EM ALTA
VTEX é a plataforma de e-commerce que mais cresce no mundo

Com 44,1% brasileiros estão na frente da Commercetools, Shopify, BigCommerce e Salesforce.

APORTE
Warren levanta R$ 120 milhões

Rodada série B foi liderada pelo QED Investors, que tem empresas como Nubank e Loft no portfólio.

CONTRATAÇÃO
Tempest tem nova diretora de vendas para AllowMe

Com 14 anos de experiência, Lívia Soares passou a maior parte de sua carreira na VTEX.

RPA
E se o robô parar?

Automação robótica de processos é uma solução para reduzir custos. Mas é preciso ter um plano B.