Marcel Albuquerque. Foto: Felipe Gaieski/divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Para a loja virtual Netshoes, o showrooming - prática de consultar produtos e preços em lojas físicas para depois comprar no e-commerce - é um tendência que chegou para ficar.

Se nos Estados Unidos, a atividade já rendeu guerras comerciais entre potências do varejo offline (Best Buy, Target) e online (Amazon), no Brasil o hábito ainda está se desenvolvendo, e as vendas por dispositivos móveis será um impulso para este processo.

Quem afirma isso é o Gestor de Projetos Mobile da Netshoes, Marcel Albuquerque, que palestrou na 4ª edição do Mobile Talk nesta terça-feira, 27. Segundo ele, a loja virtual de artigos esportivos está preparada e investindo nesta mudança.

Fundada em 2000, mas estabelecida como pure player no e-commerce a partir de 2007, a Netshoes registrou em 2012 cerca de R$ 1 bilhão em vendas, e o canal de vendas via dispositivos móveis já responde por 5% desta operação.

Desde 2011, a empresa conta com um site otimizado para tablets e smartphones, assim como uma estratégia de marketing e ações pontuais para reforçar as vendas por meio desta plataforma.

Conforme explica Albuquerque, o uso de recursos específicos ao telefone é um aspecto que pode melhorar - e muito - o serviço, o que contribui para rivalizar com as lojas físicas. Um exemplo é o uso da geolocalização para oferecer ofertas exclusivas aos clientes.

A empresa desenvolveu um projeto em shoppings no Rio de Janeiro e São Paulo, onde identificou clientes que estavam em shoppings e, quando o site da Netshoes era acessado para a consulta de preços, o cliente recebia um desconto especial de 10% via mobile.

"Com esta ação, conseguimos atrair usuários que estavam olhando produtos nas lojas físicas a realizarem suas compras no nosso site, pelo smartphone", explica Albuquerque.

Outra iniciativa da varejista neste caminho foi o Netshoes Click, app para Android, iOS e Windows Phone pelo qual o usuário pode tirar fotos de tênis e o sistema reconhece visualmente o modelo e localiza no catálogo da loja o produto ou opções semelhantes.

Até o final do ano, o aplicativo agregará opções de identificação de peças de vestuário.

No entanto, para a Netshoes, a competição com meio físico vai além dos preços. Segundo o executivo, a qualidade de serviços e entrega também entra em jogo, assim como recursos de personalização de produtos e experiência de usuário.

Para Albuquerque, o uso do canal mobile é mais um avanço para reforçar a estratégia de personalização e fidelização do cliente, com ofertas feitas sobre medida para o usuários, baseadas em histórico de navegação, entre outras informações.

"Em termos tecnológicos, não existe dispositivo mais pessoal do que o smartphone, e investimos em inovações para melhorar este atendimento usando nossa plataforma mobile. Estamos planejando um app de compras, que trará mais recursos ainda, com uma integração maior com os sistemas operacionais", revela.