NUVEM

Microsoft leva contrato de US$ 10 bilhões do Pentágono

28/10/2019 06:21

Decepção para a Oracle, que conseguiu derrubar a AWS, mas não levar o cliente.

Um dia feliz para Bill Gates. Foto: https://www.flickr.com/photos/loritingey

Tamanho da fonte: -A+A

A Microsoft levou o contrato de US$ 10 bilhões do Departamento de Defesa americano para oferecer computação em nuvem ao Pentágono, derrotando a AWS, que até poucos meses atrás era tida como favorita para levar o projeto.

O Joint Enterprise Defense Infrastructure, conhecido pela sigla JEDI, vinha sendo disputado acirradamente desde que foi lançado, no ano passado.

A licitação envolve a compra de serviços de nuvem e armazenamento de dados até inteligência artificial, machine learning e processamentos de dados de missão crítica por um período de 10 anos.

O contrato gerou muita polêmica, inicialmente por causa da fórmula “winner takes it all”, pela qual todos os serviços deveriam ser atribuídos a só um vencedor.

Microsoft, IBM Oracle, Dell e HP lideraram uma mobilização da indústria de TI por dividir a licitação, possibilitando mais de um vencedor, o que acabou não indo para frente.

Quando ficou claro que a disputa estava entre AWS e Microsoft, a Oracle começou um processo judicial, alegando que o processo teria sido feito sob medida para limitar o número de participantes, com participação direta de pessoas relacionadas com a AWS.

A via judicial não deu em nada. Foi quando o presidente Donald Trump entrou em campo, meses atrás.

Dois senadores republicanos influentes, Marco Rubio, da Flórida, e Ron Johnson, do Wisconsin, fizeram movimentos para atrasar o fechamento do contrato, alegando que houve pouca competição. 

O assunto chegou aos ouvidos de Trump, que é um inimigo declarado da Amazon. 

Isso porque Jeff Bezos, dono da Amazon e da AWS, é também proprietário do Washington Post, jornal que faz uma cobertura crítica do governo Trump e já foi alvo do presidente em diversas ocasiões, assim como a própria Amazon.

Já a co-CEO da Oracle, Safra Katz, é considerada próxima do governo Trump. A executiva foi inclusive parte do time de transição da nova administração, tendo sido considerada para uma posição de alto escalão. 

Em agosto, o Pentágono anunciou uma revisão da licitação para avaliar se o processo não feito para favorecer a AWS.

O resultado deve deixar um sabor amargo para a Oracle, que jogou toda a sua influência política apenas para assegurar que outro competidor levasse a bolada.

Veja também

TROCA
Amazon desliga servidores Oracle

Migração envolveu 75 petabytes de dados, armazenados em 7,5 mil bancos de dados.

BRIGA
Oracle banca entidade contra Amazon

Entidade crítica da Amazon foi financiada às escondidas com dinheiro da Oracle.

NUVEM
Pentágono trava contrato. Rasteira na AWS?

Ordem partiu do presidente Donald Trump, que não é lá muito amigo da Amazon.

DEFESA
Microsoft e AWS disputam Pentágono

Sinal dos tempos: IBM e Oracle, depois de muita gritaria, ficaram fora da disputa bilionária.

LIDERANÇA
Bill McDermott, ex-SAP, será CEO da ServiceNow

McDermott vai substituir John Donahoe, que será CEO da Nike.

COMUNICAÇÃO
Anatel migra para Office 365 com Brasoftware

O acordo foi feito a partir de uma licitação.

AZURE
SAP: acordo de migração para nuvem com Microsoft

Azure é a nuvem preferencial da SAP para clientes interessados em migrar o ERP da versão on-premise.

RIP
Mark Hurd, co-CEO da Oracle, morre aos 62 anos

Há pouco mais de um mês, Hurd havia anunciado seu afastamento da empresa por motivos de saúde

MUDANÇA
Uma nova cara para a Commvault

Novo comando, aquisições e software como serviço estão na pauta da companhia.