Bruce Klein. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Cisco, gigante multinacional do segmento de redes, destacou aos seus parceiros que software e segurança serão pontos focais para os negócios da companhia nos próximos anos.

O posicionamento da companhia norte-americano partiu do próprio CEO da marca, John Chambers, que ontem abriu o Cisco Partner Summit, evento para parceiros da empresa realizado em Montreal, no Canadá.

Para reforçar a nova estratégia, a Cisco anunciou um novo programa de parceiros de software, adicionando três novos papéis: consultoria, integração e assessoria de ciclo de vida de software.

De acordo com o site CRN Australia, a nova iniciativa - chamada Solutions Partner Programa - deve ser colocadas em ação no início de 2016, abrangendo revendas de licenças e renovações. Segundo a companhia, ela não contempla desenvolvedoras e ISVs.

Além disso, a empresa anunciou o Cisco One, plataforma integrada que oferece soluções de de colaboração, segurança, dados e analytics, aplicações preparadas para IoE e gerenciamento.

Com estas manobras, a companhia espera combater a tendência de alguns clientes em colocar de lado as soluções de software da Cisco para adotar soluções de terceiros rodando em cima de equipamento Cisco - o chamado shelfware.

Atualmente, apenas um terço da base de licenças da Cisco estão em uso. Embora admita que sua parte de software tem um faturamento na casa dos bilhões de dólares, ela não deu detalhes sobre o tamando real da operação dentro do cenário total da marca.

Conforme Bruce Klein, VP senior de Organização de Parceiros Globais, nove das últimas dez aquisições da Cisco foram negócios de software, incluindo nomes como Memoir Systems, de soluções de memória embarcada, e Insieme, de redes definidas por software (SDN).

Outras compras recentes foram a da desenvolvedora de soluções de análise de malware ThreatGrid e a Assemblage, de soluções de colaboração via software.

"Meu grande conselho (para revendas) é para que construam práticas para os softwares da Cisco. Esta será a próxima onda que levaremos para o mercado e nos trará um crescimento exponencial", afirmou Klein.

Na parte de segurança, a Cisco quer se consolidar como uma empresa "one-stop shop", eliminando a necessidade que a maioria das empresas tem em adotar várias soluções de segurança, em diferentes instâncias do ambiente de TI.

Segundo a fabricante, atualmente os clientes rodam uma média de 45 diferentes soluções de segurança da informação.

O principal passo da Cisco nessa direção foi em 2013, quando a companhia comprou a Sourcefire, multinacional especializada em cibersegurança, por US$ 2,7 bilhões. A estratégia rendeu frutos para a empresa de Chambers, que registra índices de crescimento de dois dígitos nos últimos três trimestres.