Foto: flickr.com/photos/tuinslak/

Tamanho da fonte: -A+A

A briga dos tablets corporativos ganha um novo concorrente de peso.

IBM Brasil e Motorola Mobility, recentemente comprada pelo Google, desenvolveram uma oferta conjunta com custo mensal fixo a partir de R$ 69,80 para a compra do tablet Xoom 2 mais serviços associados.

Na parceria, a Motorola entra com o tablet e a IBM com serviços como leasing operacional, ferramentas do selo Business Ready e implementação de projetos de mobilidade.

Pelas regras da oferta, com preço válido até 30 de junho, o pacote mínimo é de 160 tablets.

“Temos a oportunidade de oferecer a implementação de novos dispositivos que garantam aos profissionais mais flexibilidade e agilidade na execução de suas operações”, afirma Ulysses Moraes, gerente de serviços para usuários finais da IBM Brasil.

TABLET FINANCIADO
A IBM também oferece o financiamento de tablets via Banco IBM para o segmento de PMEs.

A partir de R$ 11,5 mil, é possível adquirir equipamentos com parcelas a taxas próximas a 0%, promete a empresa.

Como atrativo ao segmento empresarial – que respondeu por 25% dos 60 milhões de tablets vendidos no ano passado – a dobradinha também aposta nos recursos de segurança.

Detecção de spyware e vírus em tempo real, monitoramento de downloads de aplicativos e acesso remoto por VPN (Virtual Private Network) e um serviço opcional de manutenção entram na oferta.

“As políticas de TI das empresas estão mudando para atender à demanda crescente por dispositivos móveis que tragam maior nível de produtividade e segurança para pequenas e médias empresas”, destaca Jose Cardoso, diretor de Enterprise da Motorola Mobility.

O tablet Motorola Xoom 2 possui processador Dual Core 1,2 GHz, memória interna de 32GB, sistema operacional Android 3.2, display de 10,1 polegadas, câmera traseira de 5MP e Webcam Frontal de 1,3MP.

VAI PEGAR?
Esta é a primeira oferta focada no mercado corporativo de que se tem notícia que não aposta num "aparelho diferenciado". Máquinas poderosas tem se mostrado ineficazes, já que características técnicas que atendem o público corporativo, geralmente também atendem ao usuário final.

Fabricantes como a HP, que lançou e descontinuou no mesmo semestre, o tablet Touchpad, e a Cisco, que acabou de anunciar o fim de upgrades Cius, já fracassaram na aposta corporativa.

Quem continua insistindo é a RIM, herdeira do legado do BlackBerry, que aposta no Playbook e em apps de parceiros para tentar alavancar sua base de usuários.

Os planos, no entanto, não parecem estar dando tão certo.

Segundo o Gartner, a empresa teve 0,13% do mercado no ano passado, podendo chegar a tímidos 2,23% no final desse ano. A Microsoft, que sequer figura na lista de 2011, deve fechar esse ano com o dobro de share da RIM.

Além disso, a canadense passou por uma recente revoada de executivos, e anunciou nessa semana planos para a demissão de, no mínimo, 2 mil empregados – 12% da força de trabalho.

Enquanto isso, iPads e modelos Android seguem entrando pela porta da frente das empresas, com a consumerização e a adoção de políticas de BYOD.