INVESTIMENTO

Abseed prevê 5 aportes em 2018

29/06/2018 16:15

O fundo foi criado por quatro sócios, três deles vindos da Resultados Digitais.

A Abseed foi criado por quatro sócios, três deles vindos da Resultados Digitais. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Abseed planeja realizar aportes em cinco startups ao longo de 2018. O fundo de investimentos é voltado para empresas de software como serviço em estágio inicial com projetos B2B. O fundo foi criado por quatro sócios, três deles vindos da Resultados Digitais.

A Abseed entrou em operação em 2017, ano em que avaliou 170 startups e investiu com capital próprio em três: Meetime, Aegro e GoCache. 

O fundo conta com Geraldo Melzer como um dos sócios. Ele possui MBA na Duke University, em Durham, nos Estados Unidos e experiência em empresas como a Dell Brasil e Resultados Digitais. 

Na Dell, atuou com canais focados em pequenos e médios negócios. Em quatro anos, a área alcançou mais de U$ 100 milhões de receita anual. Na Resultados Digitais, expandiu a área de parceiros e estratégias de desenvolvimento de negócios SaaS.

A Abseed também tem como sócio Marcelo Hoffmann, advogado que estruturou diversas operações de investimento e agrega experiência em governança corporativa. Compõem o time ainda Felipe Coelho, head de vendas que atuou na Resultados Digitais, e Franco Zanette, head de marketing também vindo da Resultados Digitais.

O plano do fundo é construir um portfólio de 16 investimentos nos próximos três anos, em um total de até R$ 35 milhões.

A expectativa encontrar negócios em fase operacional e com receita recorrente mensal a partir de R$ 50 mil. 

"Nesta etapa é crucial que as empresas consigam financiar sua operação até alcançarem novas rodadas de investimento, como séries A e B", explica o sócio Geraldo Melzer. 

A rodada de investimento em capital semente lideradas pela Abseed podem alcançar de R$ 1 milhão a R$ 3 milhões.

O fundo apoia as empresas investidas com a estruturação dos processos de marketing e vendas específicos do modelo de recorrência. Esse conhecimento técnico aportado, segundo Melzer, contribui com a construção de operações mais previsíveis e escaláveis.

"Temos acumulado aprendizados e muitas informações relevantes para os empreendedores que estão começando a escalada de uma startup SaaS no Brasil. Não podemos esquecer que a escalada de um SaaS é um negócio que vai além de ampliar vendas – trata-se de acompanhar de perto métricas de retenção e aumento de ticket médio. Ter lucidez sobre o real potencial de dimensão do seu negócio é crucial", complementa.

A Meetime desenvolve um software focado em operações de Inside Sales, uma estratégia comercial utilizada por empresas para fazer vendas remotas. Em 2015, participou da primeira turma de startups aceleradas pelo Darwin Starter. 

Já o Aegro desenvolve um sistema de gestão e otimização do processo de produção agrícola. Até o fim de 2018, os sócios esperam chegar a 1 mil clientes entre produtores de soja, milho, arroz e feijão. A startup recebeu um investimento inicial pela WOW Aceleradora.

A GoCache é uma plataforma que busca melhorar diversas funções dos sites, como segurança, disponibilidade, velocidade, desempenho, segurança, suporte dos picos de visitação e engajamento dos visitantes. Em 2016, recebeu um aporte da aceleradora ACE (Aceleratech). No ano seguinte, recebeu o investimento da Abseed, além de Bossa Nova e investidores-anjo.

Veja também

ATENDIMENTO
VR cria bots com Zenvia

A companhia usou a plataforma Zenvia Conversational Cloud para criar diferentes robôs de atendimento.

ENERGIA
EDP cria fundo no Brasil

Capital de R$ 30 milhões para startups focadas em soluções para o mercado energético.

STARTUP
Speclab recebe aporte da SP Ventures

O foco da startup é comercializar a SpecSolo, desenvolvida em parceria com a Embrapa Solos.

E-COMMERCE
Linx compra DCG por R$ 67 mi

O DCG tem 600 clientes e um faturamento esperado para este ano de R$ 18 milhões.

COISAS
Finep tem R$ 1,5 bilhão para IoT

Podem participar empresas com receita operacional bruta a partir de R$ 16 milhões.

COISAS
BNDES tem dinheiro para projetos de IoT

O valor mínimo a ser liberado pelo BNDES é R$ 1 milhão, limitado a 50% de cada projeto.

STARTUP
Volanty recebe aporte de R$ 19 milhões

O aporte foi liderado pela Monashees.