Kim Dotcom comemora. Foto: flickr.com/photos/exame_com

Tamanho da fonte: -A+A

Um tribunal neozelandês concedeu nesta quarta, 29, acesso a US$ 4,8 milhões para Kim "Dotcom" Schmitz, fundador do Megaupload, que tinha suas contas bancárias bloqueadas.

O programador alemão, que aguarda o julgamento de extradição aos Estados Unidos por suposta pirataria digital, utilizará o dinheiro para pagar despesas judiciais que já chegam a US$ 2,8 milhões, segundo seu advogado.

Conforme informa a Folha, o fundador do Megaupload também tem despesas familiares a pagar, como o aluguel de 1 milhão de dólares neozelandeses (US$ 800 mil) da mansão em Auckland onde vive com sua mulher e cinco filhos.

Dotcom foi detido em janeiro passado junto a outros três executivos do Megaupload, no marco de uma operação policial promovida pelos EUA e que incluiu o fechamento do site e outras detenções na Europa.

Devido à complexidade do caso, o Alto Tribunal da Nova Zelândia adiou a decisão sobre sua extradição até março de 2013.

Os Estados Unidos querem julgar sete executivos do Megaupload, entre eles Dotcom e os três diretores detidos na Nova Zelândia, por diversos delitos referentes a pirataria digital, crime organizado e lavagem de dinheiro.

Conforme as autoridades americanas, o prejuízo causado pelo Megaupload à indústria do cinema e música nos Estados Unidos chega a US$ 500 milhões.

Com o armazenamento e compartilhamento de conteúdo na internet, o site obteve um lucro de US$ 175 milhões.