GIGANTE DA CONSTRUÇÃO

Paranaense Plaenge virtualiza com VMware

29/11/2012 15:42

Construtora com sede em Londrina virtualizou 500 desktops e planeja aumentar número para 800 ainda este ano.

Equipe da Plaenge acessa tudo do canteiro de obras. Foto: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

O Grupo Plaenge, construtora com sede em Londrina que afirma ser a maior da região Sul e uma das cinco maiores do país, virtualizou seu parque de 500 desktops com o VMware View 5, em um projeto realizado em dois meses.

O projeto foi uma ampliação das ações de virtualização da companhia, que tem filiais em Curitiba, Maringá, Joinville, Campo Grande, Cuiabá e no Chile, e em 2008 já havia centralizado e virtualizado sua infraestrutura de storage no datacenter da Level 3.

O projeto contemplou 15 servidores físicos, dos quaisdez estão configurados com VMware vSphere e rodam 70 servidores virtuais. Cinco servidores não virtualizados rodam banco de dados Oracle.

“Tínhamos uma infraestrutura para cada unidade da empresa. Então, escolhemos o VMware vSphere para virtualizar a rede e a dotamos o conceito de WAN para todo o ambiente”, explica Marcelo Pissinati, gerente de Infraestrutura do Grupo Plaenge.

Ele explica que no caso dos desktops a tecnologia facilitou o acesso remoto a aplicações como CAD, CRM, ECM, ERP IFS, ferramentas de RH, contabilidade e segurança, entre outras.

“Hoje, thin clients e zero clients atendem plenamente nossa necessidade de acesso às informações e aos desktops de cada usuário, mesmo que eles estejam trabalhando nos canteiros de obras”, comemora o gerente.

Pissinati destaca, ainda, a economia trazida com aquisição e manutenção de hardware, gerenciamento, segurança e suporte.

Hoje, comenta ele, a TI da construtora pode gerenciar e provisionar o ambiente com a facilidade do “arrasta e solta”.

A configuração no VMware View permite customizar cada usuário para as funções que ele precisa, o que amplia o controle da TI sobre o ambiente e processos.

Além disso, há a facilidade de recuperação do ambiente em casos de desastre, experiência já vivenciada pela Plaenge.

“Em Londrina, a central de vendas teve perda de computadores. Já em Campo Grande, uma enchente inesperada destruiu o escritório da empresa. Nas duas ocasiões, a TI despachou para os escritórios os thins e zero clients, a rede local foi recuperada em duas ou três horas, sem nenhuma perda de dados”, celebra o gerente de Infra.

Ele compara que em um ambiente tradicional de desktops seria preciso pelo menos três dias para comprar hardware, configurar e colocar para rodar no ambiente.

O contento com a virtualização é tanto que a Plaenge já projeta ampliar a tecnologia para 800 desktops ainda este ano.

A construtora também estuda o uso de tablets para aplicações nos canteiros de obras e centrais de vendas.

A Plaenge atua em incorporação residencial, construção civil, projetos e montagens industriais, somando 223 empreendimentos entregues.

Em 2009, iniciou sua internacionalização com a constituição da Plaenge no Chile, desenvolvendo projetos habitacionais em 3 regiões ao sul do país onde já entregou diversos empreendimentos.

No segmento industrial, a marca Emisa Plaenge possui em seu portfólio obras entregues em 19 estados brasileiros e na Venezuela, para clientes como Coca-Cola, Unilever, Philip Morris e Michelin.

Fornecedora da virtualização do grupo, a VMware agrega experiência de quem já atende a mais de 400 mil clientes em todo o mundo. 

A multinacional, que mantém uma rede de 55 mil parceiros, fechou 2011 com faturamento de US$ 3,77 bilhões.

Veja também

DBACorp: R$ 8 milhões com infra e virtualização

A criação das áreas de Infraestrutura e Virtualização impulsionaram os negócios da DBACorp em 2011: a companhia, especializada no desenvolvimento de infraestrutura para banco de dados, faturou R$ 8 milhões, alta de 10% sobre 2010.

Para 2012, a meta é manter o mesmo índice de crescimento, segundo Juarez Pereira de Araújo, diretor Comercial da empresa.

Metadados: virtualização com Support

A Support Informática, implantou um sistema de perímetro e antivírus e virtualizou os servidores da Metadados.

MP-RS: fábrica de software e virtualização

O Ministério Público do Rio Grande do Sul vai investir em torno de R$ 17 milhões em TI no ano que vem, quando o foco será a área de sistemas.

Do investimento, que será cerca de 13,3% acima do destinado pelo órgão ao setor em 2011, R$ 2 milhões deverão ser voltados à fábrica de software, com vistas à unificação de sistemas de primeiro e segundo graus, além de sistemas de protocolo.

JF-PR: rumo à virtualização total

A Justiça Federal do Paraná (JF-PR) reduziu de 100 para 40 os servidores de seu parque com um projeto de virtualização assinado pela curitibana Zeittec e que, até agora, já reduziu em 40% o consumo de energia no órgão, que projeta migrar, até o fim deste ano, toda a estrutura para a nuvem.

O projeto é baseado em tecnologias de infraestrutura de rede da Attic, Furukawa e IP Metal, distribuídas pela Delta Cable.

VIRTUALIZAÇÃO
VMware sob novo comando no Brasil

Executivo vem com experiência de empresas como Estado de S. Paulo, Oracle, IDC e IBM.