Silaine Stüpp, fundadora e CEO da HerForce.

Facilitar a contratação de mulheres, especialmente no segmento de tecnologia. É a proposta da HerForce, uma startup lançada no ano passado que já acumula 10 mil perfis de profissionais, um pouco mais da metade delas na área de tecnologia.

A base inclui currículos de desenvolvedoras, gerentes de projetos, especialistas em segurança, data science, teste de software e UX/UI, entre outros.

Até agora a startup já atendendeu 10 empresas do setor de tecnologia, incluindo a Ebanx, fintech sediada em Curitiba, e outros nomes como Sanar, Escale, Espiral.

A HerForce pretende ajudar a fechar o gap entre as empresas de TI em busca de diversificar o perfil das suas equipes e as profissionais no mercado.

"Nosso propósito é conectar mulheres a empresas que valorizam a diversidade, além de ajudar as empresas a cuidarem de seu ambiente de trabalho e aumentarem a representatividade de mulheres em suas equipes", explica a fundadora e CEO da HerForce, Silaine Stüpp.  

Stüpp já atuou como profissional de marketing nas empresas Dudalina, Faber-Castell e Crayola Brasil. 

Também é membro do coletivo colaborativo de mulheres na tecnologia ELASinTech e coorganizadora do evento anual Voz de Mulher, voltado ao Empreendedorismo Feminino.

De acordo com a Associação Telecentro de Informação e Negócio (ATN), mais de 36 mil mulheres formadas na área de tecnologia buscam colocação no mercado.

A HerForce tem uma abordagem mais ampla do que só intermediar a contratação.

As profissionais podem avaliar uma organização em que já tenha trabalhado, responder critérios específicos ao público feminino, visualizar avaliações e comentários pela ótica de outras mulheres, acessar vagas de trabalho e enviar o currículo. 

Já as empresas podem criar seus perfis de marca empregadora, divulgar vagas, contratar serviços focados no aprimoramento do seu ambiente de trabalho e ainda obter o selo HerForce, indicando que empresa valoriza e exerce a diversidade de gênero e inclusão.