Manter tudo rodando é um quebra-cabeças para a Microsoft. Foto: flickr.com/photos/demiace

A demanda dos serviços de computação em nuvem da Microsoft aumentou quase nove vezes (775%) nas áreas do mundo com medidas de quarentena, o que levou a empresa a anunciar algumas restrições no consumo e divulgar orientações para os clientes.

Em post no seu blog, a empresa disse que os clientes devem considerar usar os serviços de outras regiões geográficas, caso a sua enfrente problemas, ou tipos de recursos diferentes, dependendo dos requisitos.

Caso contrário, os clientes podem sofrer intermitências no deployment de novas soluções.

A Microsoft revela também que está impondo “algumas restrições temporárias”, um conjunto de medidas que inclui a limitação de ofertas gratuitas, como modo de priorizar quem está pagando, além de “limites em alguns recursos disponíveis para novos assinantes”.

O post explica que os limites podem ser revistos, e, caso não possam ser modificados, os novos clientes podem usar regiões alternativas. A Microsoft tem um total de 54 regiões.

Para o Teams, suíte de colaboração que enfrentou problemas nos primeiros dias da quarentena na Europa, a Microsoft implementou “ajustes”, como reduzir a quantidade de vezes que o software busca se novos usuários estão ativos, ou digitando, e, principalmente, diminuiu a resolução do vídeo.

A Microsoft abriu alguns dados que permitem ter uma ideia da demanda. 

O Teams, por exemplo, chegou a 44 milhões de usuários diários, gerando 900 milhões de minutos de reuniões por semana. O uso do Windows Virtual Desktop cresceu três vezes.