QUADRANTES

Gartner: IaaS é um jogo para poucos

30/05/2018 06:51

O Gartner reduziu pela metade o número de empresas analisadas no Quadrante Mágico de IaaS.

Meia dúzia de cavalos disputam a corrida do IaaS. Foto: Pixabay.

Tamanho da fonte: -A+A

O Gartner reduziu pela metade o número de empresas analisadas no seu Quadrante Mágico para Infraestrutura como Serviço (IaaS), em mais uma sinalização de que o segmento está sendo dominado por Amazon Web Services e Microsoft.

A versão de 2018 do respeitado relatório deixou de fora oito players que haviam entrado na versão anterior: Virtustream, CenturyLink, Joyent, Rackspace, Interoute, Fujitsu, Skytap e NTT.

A lista inclui dois players japoneses de calibre (NTT e Fujistu), uma empresa adquirida pela EMC, antes da EMC ser ela mesma adquirida pela Dell (Fujistu) e uma companhia forte nos Estados Unidos, mas que entrou no Brasil pela compra da Level 3 (CenturyLink).

Entre as empresas que ficaram no Quadrante, tudo mais ou menos como o esperado. AWS e Microsoft estão disparadas na frente na área de líderes, seguidas de longe pelo Google.

Alibaba Cloud, Oracle e IBM estão todos embolados na categoria players de nicho. Ninguém é citado nos dois outros quadrantes.

A empresa de análise de TI justificou a medida dizendo que os clientes tem expectativas maiores sobre IaaS do que só servidores e armazenagem alugadas.

“Os clientes esperam também funcionalidades de gerenciamento, serviços de desenvolvimento e de infraestrutura de software na nuvem, incluindo capacidades de plataforma como serviço totalmente integradas”, resume o Gartner.

Na prática, não é tão fácil saber o que aconteceu.

O Quadrante Mágico é um dos relatórios mais aguardados do Gartner e divide um número determinado de competidores (em alguns casos, até 20), em quatro segmentos diferentes,  com base no posicionamento nos vetores habilidade de entrega e perfeição da visão.  

Entrar no relatório, e, mais ainda, no cobiçado segmento de líderes, é um belo marketing para os participantes.

Isso dependente, no entanto, de que as empresas topem abrir uma série de informações aos consultores do Gartner.

São analisados fatores como visão de negócios, a presença global, a carteira de clientes e o índice de satisfação, bem como a parte técnica da plataforma, casos de uso e funcionalidades.

Assim, é possível que o Gartner tenha decidido deixar de analisar os players que ficaram de fora, mas também que os mesmos tenham voluntariamente caído fora.

Veja também

HYPES
CIOs não estão nem aí para blockchain

Pelo menos é o que aponta uma pesquisa do Gartner com 293 líderes de TI.

PORTA GIRATÓRIA
Confusão no Quadrante Mágico

Pushan Rinnen e Dave Russell, analistas com 25 e 13 anos de Gartner, saíram da empresa.

ANALYTICS
TI precisa convencer conselho a investir

"Líderes de data e analytics devem mostrar como seus programas são necessários para a estratégia de uma organização".

MEXE
SAP tem novo licenciamento

A principal mudança é a diferenciação no acesso por outros sistemas, processos automatizado, bots e objetos conectados. 

INFRAESTRUTURA
Em que lado você está?

No Brasil, há empresas que se equiparam em tecnologia a países mais desenvolvidos e outras ainda engatinham na manutenção do básico.

GESTÃO DE TI
Rede Globo põe fichas na agilidade

A empresa é um dos quatro clientes vitrine da prática ágil da Meta.

EXPANSÃO
SAP compra startup de vendas na nuvem

Adquirida tem um sistema líder em apoio do vendas.

ACORDO
Officer distribui nuvem da Vivo

A Officer é a primeira distribuidora a participar do Parceiro Soluções Digitais da Vivo Empresas.