Pessoas não curtiram saber sobre manipulações.Foto: flickr.com/zeevveez.

Cientistas de dados do Facebook realizaram um experimento que manipulou o conteúdo dos feeds das pessoas e provou que estados de espírito mais duradouros, como felicidade ou depressão, podem ser transferidos através da rede social.

A empresa mexeu nos algoritmos do feed de notícias de 689.003 usuários do Facebook, para que eles vissem um número anormalmente baixo de mensagens positivas ou negativas.

Em um estudo publicado recentemente, os cientistas dizem que descobriram que quando as pessoas viram poucas mensagens positivas em seus feeds, elas produziram menos mensagens positivas e escreveram mensagens mais negativas. 

Por outro lado, quando os cientistas reduziram o número de mensagens negativas no newsfeed de uma pessoa, ela tornou-se mais positiva.

Segundo o Business Insider, o estudo destaca algo sobre o qual a maioria dos usuários provavelmente não pensa: ao concordar com a Política de Uso do Facebook, a pessoa está automaticamente dando permissão para o Facebook inclua ela em grandes experimentos psicológicos como este, sem seu conhecimento. 

O Facebook diz que faz pesquisas como esta para descobrir como fazer com que o conteúdo no site seja o mais relevante possível. 

"Esta pesquisa foi conduzida por uma única semana em 2012 e nenhum dos dados utilizados foi associado com o relato de uma pessoa específica no Facebook. Nós consideramos cuidadosamente quais pesquisas fazemos e realizamos um processo de revisão intenso", afirmou um porta-voz da empresa.

Adam Kramer, um dos três cientistas do Facebook que escreveram o estudo, respondeu à reação negativa que a pesquisa recebeu na internet com um post no Facebook em que defende o objetivo do estudo, mas admite que os benefícios do trabalho podem não ter justificado toda a ansiedade que ele causou.

Kramer disse que os pesquisadores realizaram o estudo porque queriam testar uma preocupação comum de que ver os amigos postando comentários positivos pode fazer com que as pessoas se sintam excluídas ou tristes, ou que ver muitas mensagens negativas pode fazer com que elas parem de usar a rede social. 

Ele enfatizou que o estudo só afetou 0,04% dos usuários e de uma forma muito pequena.

“Tendo escrito este experimento, posso dizer que o nosso objetivo nunca foi incomodar alguém. Eu entendo por que algumas pessoas ficaram preocupadas com o assunto, e meus coautores e eu estamos muito tristes pela forma como a imprensa descreveu a pesquisa e toda a ansiedade que ela causou”, completou.