ESTUDO NO CELULAR

Colégio adota Mind Pills para estudantes

30/07/2014 10:15

O app conta com 1,2 mil usuários, que têm acesso a conteúdos de estudo de idiomas e de preparação para o ENEM. 

Luiz Felipe Garcia, diretor de relacionamentos do Mind Pills.

Tamanho da fonte: -A+A

O colégio Nossa Senhora das Dores, de Porto Alegre, é o primeiro a contar com o Mind Pills, plataforma para estudo e memorização no celular.

Lançado em outubro de 2013, o Mind Pills quer atrair usuários que buscam formas de estudar idiomas e conteúdos voltados ao ENEM e firmar contratos com colégios e cursos para que seus professores criem conteúdos para uso exclusivo das turmas da instituição.

Os primeiros meses de atuação do Mind Pills foram voltados ao segmento de colégios e cursos. Atualmente, além do Nossa Senhora das Dores, que já está utilizando o sistema, outras duas escolas estão em processo de avaliação.

O modelo de contratação tem como base o número de estudantes que acessa o aplicativo. No caso do Dores, são 400 alunos cadastrados no sistema.

Os alunos passaram a utilizar o Mind Pills no início deste ano letivo. Entre os usuários estão estudantes da 5ª série ao final do Ensino Médio.

“Fizemos um treinamento com os professores para passar a metodologia de flash cards, muito usada por estudantes americanos, para explicar como funciona o cadastro de conteúdo na ferramenta e para mostrar as melhores formas de aproveitar o sistema”, explica Luiz Felipe Garcia, diretor de relacionamentos do Mind Pills.

O mercado B2C será o foco da empresa no segundo semestre. O aplicativo hoje conta com 1,2 mil usuários, que têm acesso a conteúdos de estudo de idiomas e de preparação para o ENEM. A maior parte dos temas pode ser acessado gratuitamente, segundo Garcia.

“Através do B2C poderemos atingir de forma rápida grandes volumes de usuários, nos permitindo fazer uma grande divulgação e apresentando o Mind Pills para o cenário nacional. Vamos buscar parceiros para elaboração de conteúdo dentro da plataforma e investiremos também em marketing”, relata Garcia.

O conteúdo para os usuários individuais é feito por pessoas ligadas ao Mind Pills ou a partir de parcerias com editoras, que podem patrocinar os assuntos.

A empresa espera aumentar o faturamento em cinco vezes até o final do ano. Desse crescimento, a expectativa é que 60% venha do mercado de contratos com colégios.

O Mind Pills é formado por três sócios. Além de Garcia, Marcon Zanin, UX designer, e Nataniel Strack, desenvolvedor, formam a equipe.

Desde o início de 2014 o projeto é acelerado pela Estarte.me.

Veja também

SOCIAL MEDIA
Facebook: rede mais usada por jovens

A Forrester Research perguntou a 4.517 jovens como era seu uso de mídia social.

EDUCAÇÃO
Mais 100 mil bolsas no Ciência sem Fronteiras

O programa já concedeu 83,2 mil bolsas no exterior, destinadas a estudantes de 1,1 mil municípios. 

CONECTA
Paraná cria rede social para professores

Conecta é a primeira rede social para professores oferecida por um órgão governamental no Brasil.

PESQUISA
Professor da PUC-Rio é Fellow da ACM

Os Fellows correspondem a 1% dos participantes da sociedade científica e educativa.

JUNIOR ACHIEVEMENT
Bom Conselho compete em prêmio mundial da HP

Esta é a quarta edição da competição entre jovens de 15 a 18 anos. 

ENSINO
Feevale recebe prêmio Blackboard Catalyst

O professor Paulo Roberto Pasqualotti representou a Feevale no encontro do Blackboard.

EDUCAÇÃO
Starbucks: bolsa universitária para funcionários

A empresa vai pagar pelos anos “junior” e “senior” daqueles que trabalham pelo menos 20 horas por semana.

INFRAESTRUTURA
Cesuca tem rede wi-fi para alunos

O projeto irá beneficiar 2,3 mil alunos.

NEGÓCIOS
Empresas de apps não são sustentáveis

Apenas 1,6% dos desenvolvedores gera a maior parte da receita da App Store.