A empresa teve um faturamento de R$ 1,9 bilhão em 2019. Foto: divulgação.

A Intelbras, fabricante catarinense de equipamentos segurança, redes e telecomunicações, entrou com pedido na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para realizar uma oferta pública inicial primária e secundária de ações (IPO).

Segundo o site IstoÉ Dinheiro, o IPO é coordenado por BTG Pactual, Santander Brasil, Itaú BBI e Citigroup.

No prospecto preliminar, a empresa apresentou uma receita operacional líquida de R$ 1,46 bilhão nos primeiros nove meses deste ano, representando um aumento de 20,2% quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

O lucro líquido foi de R$ 121,2 milhões no período, alta de 2,6% em relação à mesma etapa de 2019.

A unidade de segurança eletrônica da companhia representa cerca de 53% da receita total, com 777 milhões de reais no acumulado do ano. A divisão de comunicação foi responsável por 37% da receita, enquanto a de energia gerou 9,7% do faturamento.

Com os recursos da oferta, a empresa pretende acelerar seu crescimento através de aquisições, além de expandir capacidade de produção de fábricas em Manaus e Minas Gerais, bem como em sua nova unidade em Santa Catarina, focada em produtos de energia.

Fundada em 1976, a Intelbras está presente em 98% dos municípios brasileiros e teve um faturamento de R$ 1,9 bilhão em 2019.

Ela possui quatro unidades fabris, sendo duas em Santa Catarina, uma em Minas Gerais e uma no Amazonas, além de um escritório na China. 

A empresa mantém mais de 300 profissionais especializados na área de pesquisa e desenvolvimento, de um total aproximado de 3,5 mil colaboradores, além de contar com mais de 200 distribuidores e 120 mil revendedores.