A Procergs deve receber uma verba de cinco milhões de dólares do Banco Mundial. Segundo o diretor-presidente da Companhia, Carlos Alberto Pacheco de Campos, o acordo já estaria na sua fase final. A última barreira é a aprovação por parte da Assembléia Legislativa do Estado de recursos extras para a empresa fazer frente à contrapartida pedida pelo fundo de aproximadamente 750 mil dólares.

O finaciamento deve ser investido na compra de servidores e desktops para a migração da plataforma Unisys. "Assim estaremos capacitados para executar projetos como o Tudo Fácil Eletrônico e também recolocaremos a Procergs na posição de ponta", celebra Pacheco.

Grande parte do dinheiro será investido em hardware, mas cerca de 10% devem ser destinados à contratação de consultoria para a migração do banco de dados. "Assim cumprimos nosso outro papel, que é ajudar a fomentar o mercado de TI gaúcho", ressalta o presidente. Nos últimos dois anos, a Procergs investiu em torno de 15 milhões de reais em atualização de equipamento e treinamento dos funcionários, o que, nas palavras de Pacheco, "impediu que se acontecesse no RS uma situação como a da Dataprev".