O site asiático DigiTimes informa nessa terça-feira, 03, que a Amazon encomendou um talbet à fabricante taiwanesa de notebooks Quanta Computer. A estratégia seria baratear o Kindle e fazer frente ao iPad 2, explorando um novo mercado.

Segundo o DigiTimes – especializado na cobertura de fornecedores asiáticos de eletrônicos –, o aparelho também terá participação da E Ink Holdings (fabricante das telas com tecnologia do papel eletrônico, usado no Kindle) e também contará com a tecnologia de Fringe Field Switching (FFS).

Ambas as tecnologias são empregadas para o aperfeiçoamento de displays.

Os envios dos aparelhos devem começar no segundo semestre. A encomenda gira em torno de 700 mil e 800 mil unidades, e devem representar um aporte de US$ 3,5 bilhões à receita da Quanta em 2011, informa o DigiTimes, citando fontes próximas ao assunto que não são identificadas.

Parceria de peso
Hoje, a Quanta já é a parceira de outras marcas com tablets no mercado, como a RIM e A Sony, e também estaria em contato com a Lenovo, para montar a segunda geração do LePad.

Por trás as encomendas, dizem as fontes do DigiTimes, estaria uma estratégia da Amazon para levar o mercado de livros eletrônicos além da América do Norte e Europa.

Legado do Kindle
Atualmente, o Kindle – e-reader lançado em 2007 – é o carro-chefe dos e-books na empresa, que em janeiro desse ano ultrapassaram os volumes em papel pela primeira vez na história da livraria online.

Além do aparelho, a Amazon também oferece aplicativos portáteis e softwares de computador para a leitura e administração da biblioteca virtual em múltiplas plataformas.

Mesmo com o esforço de aproveitar os dispositivos já existentes, o plano parece brigar com a Apple com um novo hardware. A Amazon encerrou 2010 na ponta das vendas de e-readers, respondendo por 48% das 12,8 milhões de unidades comercializadas no ano passado, segundo a consultoria IDC.

Com a oferta de um tablet, a Amazon planejaria baratear o mais Kindle, mirando no mercado de educação, enquanto desafiaria o iPad 2 com o lançamento.

Se não pode com eles...
Desde a entrada de outros concorrente no mercado, como o Nook, da Barnes and Nobles, a Amazon tem barateado o preço do Kindle – em 2007, o aparelho custava US$ 399, hoje, o modelo similar sai por US$ 139.

As novas movimentações da empresa estariam sendo determinadas pelos tablets, três vezes mais caros (no caso do iPad), com mais recursos (multimídia, navegação e apps), e com sucesso comercial maior – 18 milhões em 2010, 50% a mais que os e-readers no mesmo período.

Leia a matéria do DigiTimes, em inglês, nos links relacionados abaixo.