Tamanho da fonte: -A+A

Depois da beliscada na liderança nacional em maio, a HP quer ficar com o topo só pra ela.

A estratégia, segundo Cláudio Raupp, vice-presidente do grupo de sistemas pessoais da HP, é ter uma variedade de produtos que atenda a todos os perfis de consumo.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico dessa segunda-feira, 07, Raupp disse que a empresa mirará desde os consumidores que estão em busca de máquina baratas até os equipamentos com características mais avançadas.

No rastro da diversificação das máquinas entram os serviços.

A HP também quer oferecer conteúdos como música, vídeo e jogos que complementam a experiência dos consumidores.

Todos passos calculados para manter o ativo principal da empresa: o nome, segundo especialistas.

No fim de 2010 e no começo de 2011, período do avanço da HP no mercado, a companhia deu um impulso em suas vendas e tirou a Positivo da primeira posição em vendas de computadores no país.

Porém, no segundo trimestre, a HP tirou o pé do acelerador e a Positivo reassumiu a liderança.

"Pelo porte que tem, a HP não precisa entrar na guerra de preços com as outras empresas. Uma estratégia desse tipo poderia prejudicar a percepção de mercado sobre a marca da empresa, que é um ativo muito valioso", avalia um analista de mercado.

Leia a matéria completa do Valor (para assinantes) nos links relacionados abaixo.