Tamanho da fonte: -A+A

Todas as 12 viaturas da Guarda Municipal de Canoas sairão às ruas nesta segunda-feira, 10, equipadas com tablets Samung Galaxy 7''.

 
Com os equipamentos, nos quais foi instalado software da gaúcha Trevisan Tecnologia, os guardas poderão fazer registros de ocorrência online, acompanhados de fotografias tiradas no local.
 
Outra facilidade proporcionada pelo sistema é indicar aos guardas na viatura em que ponto devem estar dentro de uma rota programada pelo comando em cada momento. 
 
O comando, por sua parte, sabe pelo localizador GPS de cada tablet se as viaturas estão cumprindo o cronograma.
 
“Nosso próximo passo é integrar os dados na ferramenta de BI que o prefeito usa”, adianta Daniel Scherer, diretor de Governo Eletrônico de Canoas.
 
O projeto para a Guarda Civil não teve custo para a prefeitura, tendo a tecnologia cedida pelas empresas. Somente em tablets, o custo da unidade seria de R$ 1,2 mil, em média.
 
No futuro, Canoas deve expandir o sistema para abarcar funcionários responsáveis pela fiscalização no campo de secretarias como as de Obras, Habitação e Trânsito. 
 
Os tablets são a parte mais na moda de um esforço geral de atualização tecnológica na cidade da região metropolitana de Porto Alegre, o segundo maior PIB e a quarta maior população do estado, com 324 mil habitantes pelo censo de 2010.
 
Nos próximos dias, deve sair o resultado de uma licitação que visa dar manutenção a 120 pontos da rede wireless das secretarias de Educação e Saúde do município por um período de dois anos.
 
Com a rede reestabelecida em conexões de 5MB e redundância em 3G, os postos de saúde devem começar a agendar consultas e exames pela Internet, estabelecendo um cadastro único por habitante.
 
“Vamos acabar com as filas, controlar melhor os estoques de remédios e colocar os boletins das escolas online”, projeta Scherer. “Há muito a ser feito em termos de TI”.
 
A própria contratação de Scherer, há sete meses no cargo, é parte do approach da administração do prefeito Jairo Jorge (PT-RS), no assunto tecnologia.
 
O executivo fez carreira na iniciativa privada tendo uma empresa própria e nos últimos cinco anos foi diretor de sistemas na GetNet, e diz manter o mesmo foco agora que está na área pública.
 
“Meu objetivo é trazer resultados para a cidade. O prefeito nunca me perguntou em que partido eu votava”, garante Scherer.
 
No médio prazo, está nos planos da cidade a constituição de uma fundação pública de direito privado chamada CanoasTEC, que na prática funcionará como uma estatal de processamento de dados municipal, com cargos de direção nomeados e um corpo de profissionais concursados, encarregados de administrar a infra de tecnologia. 
 
Segurança e TI
Os tablets não são a primeira iniciativa de uso de TI em prol da segurança pública em Canoas.
 
Em 2010, a cidade foi a primeira cidade do Brasil a adotar a tecnologia de detecção de disparos por som da americana Shotspotter, obtendo uma redução de 41% nos homicídios no bairro Guajuviras.
 
O sistema foi instalado a um custo total de R$ 3,5 milhões, cobrindo uma área de 3,3 km2 do bairro canoense.
 
* Maurício Renner cobre o  Seminário Governança, Risco e Compliance à convite da Sucesu-RS