Schalter: thins e ATMs para dobrar

23/08/2011 14:54

A porto-alegrense Schalter, que atua no desenvolvimento, fabricação e venda de soluções de automação comercial, bancária, industrial e de informática, projeta mais que dobrar, este ano, o faturamento de R$ 4,1 milhões obtido em 2010.

Valtuir Caetano

Tamanho da fonte: -A+A

A porto-alegrense Schalter, que atua no desenvolvimento, fabricação e venda de soluções de automação comercial, bancária, industrial e de informática, projeta mais que dobrar, este ano, o faturamento de R$ 4,1 milhões obtido em 2010.

Para isso, aposta em duas frentes de negócio: terminais de auto-atendimento, segmento no qual a empresa já atende a clientes como Colombo, Petrobrás, Junta Comercial de São Paulo, Procon-SP e várias concessionárias da Eletrobrás; e thin clients, cuja carteira reúne nomes como Atacadão e Rede Buffon.

“Nosso principal mercado são os terminais ATM – vender um terminal equivale a vender aproximadamente 20 thins. Entretanto, hoje, cerca de 80% do faturamento vem dos thins, que foram nossa primeira linha de negócio”, destaca Valtuir Caetano, diretor da Schalter.

Self service

Os terminais de auto-atendimento não ficam atrás: focados no pagamento de contas via cartão de crédito e débito, venda de produtos como ingressos e pins de jogos, recargas, entre outros serviços, as máquinas têm no varejo seu principal consumidor.

Contratões
A Colombo, por exemplo, usa os terminais para auto-atendimento no pagamento de carnês em suas lojas.

“Também fechamos um contrato recentemente com uma grande rede em São Paulo que vai implantar mais de 1 mil equipamentos para venda de ingressos, recargas e outros em estações de metrô e nos shoppings Frei Caneca e Center Norte”, ressalta Caetano.

Para fomentar o crescimento da área de terminais, a Schalter investe na venda direta.

Força no canal
Já em thin clients, os canais são os principais responsáveis.

“Hoje, temos em torno de 30 revendas, mas a meta é encerrar 2011 com aproximadamente 50”, ressalta o diretor.

Um dos revendedores é a ATZ, que acaba de realizar um projeto para a Buffon, que trocou as estações de trabalho dos 46 postos de sua rede por mais de 200 thins Schalter.

“As máquinas foram aplicadas a soluções de frente de caixa, trazendo economia, já que consomem apenas 7 watts de energia elétrica/hora, com tempo de uso três vezes maior que um computador tradicional”, comenta o gerente de TI do Buffon, Silvio Cavalheiro.

Outro contrato recente na área de thins – este intermediado pelo canal Sysdata - foi fechado com a catarinense Copobrás, especializada em produtos descartáveis plásticos que, com as máquinas, reduziu em 50% os gastos com manutenção do parque.

“Os thins substituíram os computadores do setor de produção em nossas três filiais e na matriz, em São Ludgero”, afirma Jorge Corrêa, gerente de TI da Copobrás, que agora pretende instalar os thins também nos escritórios da rede.

Carteiraço!
Em todas as linhas de negócio, a carteira de clientes da Schalter passa, hoje, dos 700 nomes.

Capital e interior
A empresa mantém em Porto Alegre uma unidade de integração e montagem de thin clients e terminais de auto-atendimento, além de uma fábrica em Erechim, onde produz placas e componentes mecânicos e eletrônicos para terceiros.

Hardware + software
Quanto aos softwares integrados às soluções, a Schalter tanto desenvolve, contando para isso com seis programadores internos, quanto terceiriza.

“Esta é uma demanda analisada projeto a projeto”, conta Caetano.

Há mais de 20 anos no mercado, a companhia tem diversificado o portfólio com mais intensidade desde 2007, segundo o diretor.

Foi de lá para cá que os investimentos focaram tendências como TI verde, virtualização, cloud computing e auto-atendimento.

“Tais investimentos diversificaram nossa oferta e impulsionaram nosso crescimento que, só nos primeiros cinco meses deste ano, foi de 68% sobre o mesmo período de 2010”, finaliza Caetano.

Veja também

Thin client promete baixo consumo de energia
A Tecnoworld, fornecedora paulista de produtos tecnológicos, apresenta a nova versão da linha de thin clients Winlight, a Winlight3.
 
O terminal promete novas funcionalidades como economia de energia com o consumo aproximado de 30 watz, 1/10 de um computador tradicional.

O lançamento oferece a versão Winlight3 CS, com processador Intel Atom Single-Core 230 1.6GHz, e a Winlight3 CSX com Intel Atom Dual-Core 330 1.6GHz.
 
Pão de Açúcar: 100% thin client até 2012

O Pão de Açúcar vai trocar todos seus 10,5 mil computadores de mesa por thin clients da Wyse até 2012, com um investimento total de R$ 12 milhões.

De acordo com reportagem da Computerworld, a alteração representará uma economia de R$ 4,5 milhões em energia elétrica já em 2010, chegando a R$ 13 milhões em 2013.

Senai-SC: thins para economizar 59,6 mil KWh

As duas novas salas informatizadas que acabam de ser instaladas na unidade do Senai Joinville vão economizar mais de 59,6 mil KWh nos próximos três anos, graças à associação thin client e virtualização.

A instituição adquiriu 40 thins da paulista Ecopc, que consomem, no máximo, 5KW/hora, enquanto o consumo mínimo de um PC fica em cerca de 120 KW/hora, segundo Everton Ramalho, diretor Comercial da empresa.

Abyara: R$ 400 mil, 25% mais thins e TI verde

A imobiliária Abyara Brokers ampliou em 25% seu parque de thin clientes, em um investimento que superou R$ 400 mil, incluindo servidores, softwares e 500 thins da Init, que vão atender a cerca de 1,5 mil corretores em oito lojas da empresa.

Segundo o CIO da imobiliária, Adriano Aquino, as máquinas garantiram a inserção da companhia na TI verde, com economia de energia elétrica.

Escritório de direito investe R$ 184 mil em thins

O escritório de advocacia Felsberg e Associados acaba de adquirir 205 terminais thin client S10 da Wyse, em um investimento de R$ 184,5 mil.

As máquinas, fornecidas pela integradora MD Systems, contam com solução de virtualização de aplicativos XenApp, da Citrix.

Conforme Rodrigo Soares, gerente de TI do escritório, o objetivo do projeto foi modernizar um parque de computadores já obsoleto.

Thins da Tecnoworld certificados para Citrix

Os thin clients da Tecnoworld acabam de receber o selo Citrix Ready, o que amplia a oferta da companhia para usuários desta plataforma e ambiente.

Atualmente, sete modelos de thins Tecnoworld estão disponíveis no mercado – Winbox 1000, Winbox 1010, Winbox 400, Netbox, Winlight3, Netbook (thin client mobile) e Winnet2. Toda a linha foi aprovada nos testes feitos pela Citrix, atendendo aos pré-requisitos da marca.

Tecnoworld: 500 thin clients para Campinas

A Tecnoworld, fornecedora brasileira de terminais thin clients,  acaba de fornecer em torno de 500 equipamentos para a Prefeitura de Campinas, em São Paulo, a fim de atualizar seu parque tecnológico.

Tecnoworld: 1,2 mil thin clients para Proderj
A Tecnoworld foi a escolhida para fornecer 1,2 mil thin clients para equipar os 78 Centros de Internet Comunitária do Rio de Janeiro, em um projeto do Proderj (Centro de TI e Comunicação do estado).

Segundo a empresa, que detém aproximadamente 72% da base instalada de thin clients do país, estas máquinas geram economia, já que reduzem a necessidade de manutenção e apresentam vida útil quase três vezes maior que a de um desktop tradicional.
Expandis quer vender thin clients no RS
A gaúcha Expandis assinou recentemente um contrato para ser a distribuidora no Rio Grande do Sul da paulista Tecnoworld, fornecedora de thin clients, notebooks, digital set top boxes e placas em geral que fechou o ano passado com faturamento de R$ 50 milhões.

O foco principal da Expandis será a tecnologia de thin clients. Embora popular no Brasil – a Tecnoworld vendeu 40 mil unidades no ano passado, seis mil deles só para a prefeitura de São Paulo – ainda engatinha no Rio Grande do Sul.