Teikon: impulso com memória e mainboards

28/02/2012 14:17

A Teikon, gaúcha especializada na fabricação de produtos eletrônicos, pretende triplicar sua produção de módulos de memória, que hoje fica em torno de 100 mil/mês, até o fim de 2012.

A empresa, que em 2011 havia divulgado a meta de faturar em torno de R$ 325 milhões, aproximadamente 25% a mais do que os R$ 260 milhões de 2010, também aposta no impulso dos negócios com a fabricação de mainboards para notebooks da Itautec.

Tamanho da fonte: -A+A

A Teikon, gaúcha especializada na fabricação de produtos eletrônicos, pretende triplicar sua produção de módulos de memória, que hoje fica em torno de 100 mil/mês, até o fim de 2012.

A empresa, que em 2011 havia divulgado a meta de faturar em torno de R$ 325 milhões, aproximadamente 25% a mais do que os R$ 260 milhões de 2010, também aposta no impulso dos negócios com a fabricação de mainboards para notebooks da Itautec.

Esta linha começou a ser produzida no ano passado, na fábrica que a companhia inaugurou em Jaguariúna e que, atualmente, emprega cerca de 500 colaboradores.

Conforme o CEO da Teikon, José Ruy Alvarez, a operação de Jaguariúna é a quarta operação da companhia no Brasil, e foi escolhida pela logística disponível para produção e escoamento dos produtos, além de ficar em um dos principais mercados do país.

Da planta, a Teikon atende também a Motorola, Compaq, Dell e HP, entre outros clientes.

Além da fábrica localizada na cidade a 125 km da capital, na região metropolitana de Campinas, a empresa também reforçou sua estrutura em São Paulo com a abertura, no ano passado, de um novo escritório local.

A companhia mantém, ainda, fábricas em São José dos Pinhais e Manaus, além da matriz em Porto Alegre.

Há, ainda, um escritório na China, focado em procurement e compra de componentes eletrônicos utilizados nas soluções fabricadas no Brasil.

A Teikon surgiu em 1996 e faz parte da Parit Participações, holding de investimentos que controla também as gaúchas Altus e HT Micron.

A empresa opera como EMS (Electronic Manufacturing Services), atendendo a clientes, além dos já citados, como Gigabyte, MSI, RCA, Thyssen e Carrier, entre outras.

Os serviços da indústria gaúcha incluem todo o processo industrial: montagem automática, integração, testes e embalagem, entregando o produto pronto para venda.

O portfólio reúne itens como notebooks, AIO, motherboards, desktops, televisores e controladores diversos.

“Assumimos a cadeia logística e industrial dos clientes, permitindo que estes possam concentrar seu core business no desenvolvimento de produtos, marketing, vendas e promoção de sua marca”, finaliza Alvarez Filho.
 

Veja também

Teikon amplia estrutura para crescer

A gaúcha Teikon, indústria de eletrônicos que mantém fábricas em Porto Alegre, São José dos Pinhais, Manaus e Jaguariúna, acaba de inaugurar um novo escritório na capital paulista.

A nova unidade, segundo o CEO, José Ruy Alvarez Filho, é peça-chave para fomentar a meta de crescer 25% sobre os R$ 260 milhões faturados em 2010.

Teikon adota softwares da Cenarius
A Cenarius, empresa gaúcha de soluções de TI para gestão de negócios, fechou contrato com a Teikon, fábrica porto-alegrense de produtos eletrônicos que possui unidades em Manaus, São José dos Pinhais e na cidade de Shenzhen, na China.
Itautec: receita cai 1,9% em 2011

A Itautec teve uma receita líquida consolidada de vendas e serviços de R$ 1,54 bilhão no ano passado, resultado que representa uma queda de 1,9% em comparação com 2010.

Apesar da queda o lucro líquido da companhia atingiu R$ 43,6 milhões de reais, crescimento de 278,3% em comparação com 2010, com margem líquida de 2,8%.

Brasileiros: campeões na compra de eletrônicos

Os brasileiros são os consumidores que mais consomem eletrônicos, segundo pesquisa da Accenture realizada em oito mercados no ano passado.

Em 2010, aponta o estudo, 55% dos brasileiros compraram um celular, em comparação com a média internacional de 32%. Da mesma forma, 40% dos consumidores brasileiros pretendem adquirir TVs de alta definição este ano e 20% querem TVs 3D.

No mundo, esse número é de respectivamente 25% e 12%.

Eletrônicos e móveis irritam consumidores

De acordo com pesquisa realizada pela Accenture, mais da metade dos consumidores ingleses e americanos estão insatisfeitos com os frequentes problemas enfrentados quando se trata de aparelhos eletrônicos e dispositivos móveis. 

Petróleo em alta vai encarecer eletrônicos

A alta do petróleo pode impactar o setor de eletrônicos.

Segundo economistas, se o óleo continuar em ascensão em função dos conflitos do Oriente Médio, fabricantes asiáticas serão obrigadas a gastar mais com transporte de matérias-primas. Além de encarecer, o petróleo, que chegou a quase US$ 100 o barril nessa semana, pode frear a inovação.

Classe C já compra 45% dos eletrônicos do país

Em 2010, quase metade dos eletrodomésticos e eletrônicos comprados no Brasil foram adquiridos por consumidores da Classe C.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, publicada nesta quarta-feira, 15, 45% da fatia gasta com esses produtos no país será desembolsada por essa faixa da população, enquanto que os mais abastados responderão por 37%.

As classes D e E ficaram estáveis no período, com 18% da fatia.

Brasil na ponta do consumo de eletrônicos

Dados de estudo global realizado pela Accenture com 8 mil consumidores aponta o Brasil como um dos países em que mais se compraram eletrônicos em 2010.

Foram entrevistados compradores do Brasil, China, Índia, Rússia, França, Alemanha, Japão e Estados Unidos.