Tamanho da fonte: -A+A

Especialistas em segurança na internet de uma universidade norte-americana avaliam o Twitter como menos seguro que outros serviços online similares – como Google e Facebook, por exemplo.

Para Daniel Diermeier, professor da Kellogg School of Management da Universidade de Northwestern, o microblog precisa de uma nova abordagem nas suas estratégias para garantir a integridade dos dados.

“O que o Twitter precisa fazer agora é se comprometer com uma revisão completa de suas práticas de segurança”, disse Diermeier à agência Reuters.

No último dia 04 de julho (feriado do Dia da Independência nos Estados Unidos), o perfil no Twitter da rede de TV norte-americana Fox News foi invadido. Hackers entraram na conta da emissora e noticiaram que o presidente Barack Obama tinha sido assassinado.

De acordo com a Reuters, até o Serviço Secreto, responsável pela segurança do presidente, está investigando o assunto.

O Twitter levou cinco horas para retomar o controle o perfil, disse a Fox.

Conforme os especialistas, o ataque seria evitado se o microblog oferecesse tecnologia de dupla autenticação.

Nesse sistema, um usuário precisa fornecer um segundo código, além da senha, ao acessar a conta. O código muda em torno de cada minuto e é enviado para um telefone ou outro aparelho eletrônico.

O Google e o Facebook já oferecem a dupla autenticação para confirmar a identidade de usuários.

Com 200 milhões de cadastrados, o Twitter é um meio de divulgação bastante utilizado por informações de veículos de notícias, governos e empresas, além de ser usado por celebridades e inúmeros internautas para troca de informações.

A mensagem da Fox News, por exemplo, foi enviada para 788.291, número de usuários seguindo a emissora na data, conforme a ferramenta Twitaholic.

Hoje, a Fox News tem 816.927 seguidores.

Na opinião de analistas de segurança, a tendência é de que aumente a pressão por sistemas mais confiáveis no  microblog.