Woompa investe em site para a construção civil

20/10/2011 11:59

A Woompa, empresa gaúcha de desenvolvimento de aplicações para web, lançou o Pixel Quadrado, um serviço destinado à criação de sites para o setor da construção civil.

Segundo explica o diretor Flávio Steffens, a iniciativa surgiu frente à alta demanda de sites para as pequenas e médias construtoras, que correspondem a boa parte de um mercado que movimentou no ano passado R$ 150 bilhões do PIB brasileiro.

Woompa investe em site para a construção civil

Tamanho da fonte: -A+A

A Woompa, empresa gaúcha de desenvolvimento de aplicações para web, lançou o Pixel Quadrado, um serviço destinado à criação de sites para o setor da construção civil.

Segundo explica o diretor Flávio Steffens, a iniciativa surgiu frente à alta demanda de sites para as pequenas e médias construtoras, que correspondem a boa parte de um mercado que movimentou no ano passado R$ 150 bilhões do PIB brasileiro.

Com o Pixel Quadrado, a empresa oferece opções de serviço que vão desde a criação do layout até o gerenciamento da plataforma, que é hospedada em um servidor nos Estados Unidos, dividida em três serviços – básico, intermediário e avançado, com investimentos mensais de R$ 89,90, R$ 129,90 e R$ 159, 90, respectivamente.

De acordo com o executivo, o serviço permite a redução dos custos de manutenção e hospedagem em até 50%, se comparado com serviços que podem chegar até R$ 6 mil por ano, aponta Steffens.

O básico permite que a construtora selecione um layout pré-moldado, administre o portal, além de não precisar efetuar contrato. Já o intermediário conta com layout exclusivo, atualização de conteúdo pela Woompa e contrato de 12 meses. O último difere do segundo apenas no que diz respeito ao suporte e gerenciamento da plataforma.

Apesar do layout ser padrão, a empresa não enxerga esse fator como um problema entre as construtoras concorrentes. E justifica que apenas o layout é padronizado, mas o conteúdo publicado é diferente.

Por trás da Woompa, que atua desde 2010 no formato Home Office, além do gaúchoFlávio Steffens, analista de sistemas, estão Marcus Sá, que atua há oito anos com programação e o desenvolvedor carioca Felipe Bazzarella.

Clientes pelo Brasil

Hoje, a Woompa conta com cinco contratos em andamento, sendo três no Rio Grande do Sul e outros dois em Santa Catarina e Minas Gerais.

Até o final de 2011, a empresa pretende agregar 20 clientes na carteira e para 2012 a meta é triplicar esse número.

Além disso, Steffens prospecta um faturamento de mensal de R$ 8 mil para o próximo ano.
 

Novos projetos

Ainda focada no setor da construção civil, a empresa pretende lançar mais três projetos, transformando o Pixel Quadrado em um guarda-chuva.

Conforme revela Flávio Steffens, a ideia é desenvolver dois serviços online direcionados à divulgação da empresa e outro ao produto.

O terceiro projeto é relacionado ao segmento de arquitetura e se organiza como um portfólio, no qual será possível desenhar e apresentar plantas e fotografias.

Veja também

Rossi: realidade aumentada na construção civil

A incorporadora Rossi adotou a tecnologia de realidade aumentada para demonstração de imóveis.

A ação, criada em parceria com a Produtora Santa e a Agência Leo Burnett, é a primeira de realidade aumentada do setor de construção civil brasileiro, segundo a Rossi.

Cloud computing: ganhos para construção civil
Fabiano Closs, consultor em software e gerente Comercial da Softplan/Poligraph, publica artigo no Baguete, nesta sexta-feira, 02.

O consultor explica como a computação em nuvem está presente no dia-a-dia das pessoas e de que forma está otimizando a operação das empresas da indústria da construção civil.
Dicico: franquia no varejo para construção

A Dicico, marca do setor varejista com de 2% de market share e faturamento estimado em R$ 800 milhões em 2010, abre nesta quinta-feira, 01, a primeira franquia do varejo para material de construção, na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo.

De acordo com o site Meio e Mensagem, a expectativa da rede, hoje com 55 lojas em São Paulo, é ampliar o faturamento em R$ 1 bilhão até o fim desse ano, a partir do modelo de franquias.