Tamanho da fonte: -A+A

Rob Solomon, principal executivo operacional (COO) do site norte-americano de compras coletivas Groupon, está deixando a empresa.

A informação foi divulgada nessa semana pelo site All Things Digital, do Wall Street Journal.

Segundo fontes ouvidas pelo SWJ, Solomon sai por não ser considerado a “pessoa certa” para levar o site de compras à sua próxima fase de crescimento. A agência Bloomberg informa que o site deve passar por uma oferta pública inicial (IPO) ainda nesse ano.

Enquanto a empresa não encontrar um novo COO, Solomon permanecerá no cargo, o CEO do Groupon, Andrew Mason.

“Durante a permanência de Rob, o Groupon cresceu de um país para 44, de 200 empregados para 6.500, e de 3 milhões de assinantes para mais de 70 milhões”, destacou o CEO do site em e-mail aos funcionários.

O momento atual, no entanto, não parece tão promissor.

Dados divulgados pelo site TechCrunch indicam que a ascensão experimentada de janeiro do ano passado até o último a receita da empresa passou de US$ 10,8 milhões para US$ 88,9 milhões. Em fevereiro, no entanto, caiu para US$ 61,7 milhões.

Além disso, baseado em dados da comScore, o TechCrunch aponta uma queda na audiência do site, que ficou abaixo dos 10 milhões de usuários únicos em fevereiro.

E o que aconteceu em fevereiro? O “desastroso comercial do Groupon na transmissão do Super Bowl (liga de futebol americano nos Estados Unidos).

Nas produções de 30 segundos, atores famosos apareciam em peças de gosto duvidoso. Numa delas, a modelo e atriz inglesa Elizabeth Hurley lê um texto sobre o desmatamento no Brasil, como se fosse uma propaganda ambiental, que acaba numa propaganda de brazilian wax (depilação à brasileira).

Fundado em 2008, o Groupon prepara sua estreia em bolsa de valores - negociações preliminares indicam que o valor da empresa já beira os US$ 25 bilhões.

Em dezembro de 2010, o site recusou uma oferta de compra de 6 bilhões de dólares pela Google.

Desde então, há rumores de que a gigante de buscas prepara um serviço concorrente, que se chamaria Google Offers. Um serviço semelhante também deverá ser lançado em breve pelo site de rede social Facebook.