Véu, grinalda e 3D

26/05/2010 17:19

O Foto Studio Equipe, de São Paulo, lança neste mês um serviço que oferece tecnologia 3D em vídeos de casamentos.

Só a filmagem custa R$ 9 mil. Dependendo da extensão do trecho gravado, o valor pode chegar a R$ 15 mil. Já o pacote completo, com fotos e vídeo também em 2D, custa R$ 25 mil. Uma filmagem tradicional custa, segundo profissionais do mercado, entre R$ 500 e R$ 3 mil. 

Milton Silva / Foto Studio Equipe

Tamanho da fonte: -A+A

O Foto Studio Equipe, de São Paulo, lança neste mês um serviço que oferece tecnologia 3D em vídeos de casamentos.

Só a filmagem custa R$ 9 mil. Dependendo da extensão do trecho gravado, o valor pode chegar a R$ 15 mil. Já o pacote completo, com fotos e vídeo também em 2D, custa R$ 25 mil. Uma filmagem tradicional custa, segundo profissionais do mercado, entre R$ 500 e R$ 3 mil. 

Lançado no Terraço Daslu, em São Paulo, na segunda-feira, 14, o serviço já ultrapassou a demanda do estúdio e vem registrando dois a três pedidos por semana. A maioria, de clientes que já havia contratado o serviço Full HD e agora decidiu migrar para o 3D.

Apesar de não abrir investimentos realizados Reynaldo Cavalcanti, proprietário do estúdio, afirma que a quantia maior foi destinada à pesquisa e, só depois, aos equipamentos.

Mesmo que o serviço já venha sendo realizado, os casais ainda não podem recordar a data em terceira dimensão em casa. Isto porque os principais modelos de televisões 3D ainda estão em pré-venda e devem chegar entre junho e setembro - com preços de R$ 6 mil a R$ 16 mil.

A solução é recorrer para a exibição em 3D no próprio estúdio. Além da câmera de cinema 3D adaptada para vídeo-reportagem, a empresa conta com monitores preparados para a terceira dimensão.

Cavalcanti conta ainda que após realizar experiências com o antigo 3D – não-digital, que exigia óculos com lentes vermelhas e azuis – há 15 anos, retomou o foco nesta tecnologia em 2008, quando viu a tecnologia já se consolidando no exterior.

“Fomos ao exterior, estudamos e participamos de feiras como a PMA – Feira Internacional de Fotografia. Demandou tempo, mas isto é uma constante de nossa empresa. Quando ninguém falava em Blu-Ray, sete anos atrás, já gravamos utilizando a tecnologia”, elogia.