Criar um perfil no Twitter com objetivo de divulgar produtos e serviços é a principal motivação das empresas que atuam no Brasil, segundo pesquisa conduzida pela Delloite. A movimentação corporativa não é falha, mas poderia ser incrementada, segundo os pesquisadores.

“Vimos que dificilmente a empresa envolve outros processos que poderiam ganhar muitos benefícios com as mídias sociais, por exemplo, captura de pedidos, suporte ao cliente e integração de equipes”, declara Fabio Cipriani, gerente responsável pela prática de consultoria em Mídias Sociais.

A pesquisa realizada com 302 empresas de diversos segmentos e portes econômicos.

Quase 70% afirmaram utilizar as redes sociais. São Paulo apresentou a maior concentração de respondentes (63%), seguido pelo Rio de Janeiro (7%) e Minas Gerais (6%).  Apenas 16% das empresas participantes são multinacionais instaladas no país.

Os dois setores que mais utilizam as mídias sociais são os de serviços (38,1%) e de varejo, bens de consumo & transporte (20%). O setor de manufatura, que o mercado enxerga ter baixa aderência às mídias sociais, surpreende aparecer em quarto lugar no ranking de empresas que já utilizam ou monitoram as mídias sociais (11%).

As ações de marketing e divulgação de produtos e serviços são as atividades mais realizadas, com 83%.

"A popularidade das ações de marketing é natural. As mídias sociais representam um canal de comunicação que atinge milhares de pessoas e a um baixo custo”, destaca Fabio Cipriani, gerente responsável pela prática de consultoria em Mídias Sociais.

As mídias sociais são muito mais vistas, pelas empresas, como mídia propriamente dita, do que como plataforma de relacionamento.

O estudo aponta ainda que é dada pouca importância à captura de oportunidades (46%), ao suporte aos clientes (43%) e ao desenvolvimento de inovação por meio de inteligência coletiva (17%).

Um total de 73% das empresas afirmou que as ações ligadas a esta ferramenta estão sob o comando do departamento de Marketing.

Diretoria e departamento de comunicação são os menos envolvidos com mídias sociais, 5% e 6%, respectivamente.

A estratégia deveria partir da liderança, por esse motivo, os demais departamentos não se envolvem e se mostram desalinhados em relação às ações desenvolvidas nestes canais. Apenas 26% dos respondentes afirmaram que há mais de um departamento envolvido com mídias sociais em suas empresas.

A falta de tempo e a mobilização das pessoas para participarem das ações nestes canais foram os principais obstáculos apontados pelas empresas na execução de suas estratégias em mídias sociais, respectivamente 49% e 38%.

Métricas estratégicas, como valor da marca (24%), retorno sobre o investimento (18%) e Net promoter score – ferramenta que avalia a fidelização no relacionamento com os clientes – (6%) são as menos utilizadas para acompanhar os resultados das ações em mídias sociais.

As empresas mostraram-se mais preocupadas com resultados operacionais, como número de usuários, usuários ativos, visitantes ou visitantes recorrentes (71%); visualização de páginas (63%); e frequência de visitas (59%).

A pesquisa destacou ainda que as redes sociais (Orkut, Facebook, redes sociais internas etc) são as ferramentas mais utilizadas pelas empresas, com 81%.

Os microblogs (Twitter, Yammer etc) aparecem em seguida com 79%, e devido ao ritmo de crescimento que vem ganhando no Brasil, deverá ultrapassar as demais redes sociais muito em breve. O blog corporativo também é muito usado no universo empresarial, sendo utilizado por 70% das empresas que se envolvem com as mídias sociais.