Tamanho da fonte: -A+A

Apesar de quase 10% dos usuários de computador já terem sido vítimas de roubo de dados, 22% deles acreditam que os hackers não têm interesse em seus dados pessoais e, por isso, descuidam da segurança de suas máquinas, informa um estudo da Avira.

Para a pesquisa, a empresa entrevistou 5.578 usuários que, embora preocupados com a segurança, estão “completamente despreparados para enfrentar os esquemas atuais dos criminosos cibernéticos”, conforme o estudo.

Ainda segundo o levantamento, 49% dos internautas entrevistados (2.747) disseram nunca ter notado qualquer tentativa de espionagem de seus dados, o que a Avira define como uma postura “ingênua”.

“As chances de se detectar o acesso ilegal são muito pequenas, a não ser que você tenha uma proteção de segurança altamente eficaz. Afinal, já se foram os dias em que o computador reconhecia comportamentos incomuns ou ficava mais lento devido a uma infecção por malware”, afirma a pesquisa.

Hoje, segundo a Avira, os malwares são programados com cada vez mais alto nível de sofisticação e, ao invés de simplesmente bloquear computadores, conseguem permanecer escondidos, facilitando a ação dos criminosos.

O estudo revela, ainda, que muitos internautas acreditam que os invasores não teriam interesse neles, pois “não têm nada a esconder”. Neste grupo estão 22% dos participantes da pesquisa (1.229), que disseram que não ficariam preocupados se hackers lessem seus e-mails ou visualizassem outras informações sobre eles.

O fato, afirma a pesquisa, é que os criminosos desejam roubar não só dados, mas também a capacidade dos computadores para, com isso, controlar botnets remotamente e facilitar o roubo de dados das vítimas para fins ilegais.

“Desse modo, a falta de cuidado na manipulação dos dados pode causar problemas com as autoridades, bem como perdas financeiras freqüentes”, destaca o levantamento.

Pior: a pesquisa mostra que 4% dos entrevistados (243) estavam cientes disso por experiência própria: eles sofreram perdas concretas e acharam necessário discutir o problema com o banco.

Já outros 6% dos participantes (313) foram vítimas de roubo de identidade, com invasões detectadas em suas contas de e-mail, do Facebook e do Ebay, enquanto aproximadamente 10% dos entrevistados já tenham sido vítimas de roubo de dados digitais.

A Avira também revela que 19% dos internatuas ouvidos (1.055) têm sido cuidadosos desde que souberam de um ataque a alguém que conheciam e agora tomam medidas apropriadas de segurança online.

Conforme a fabricante de antivírus, as melhores ferramentas para proteger PCs e dispositivos móveis são programas com capacidade de filtragem de sites de phishing e de outras ameaças ocultas. Outra recomendação é que os usuários acessem sites diretamente do navegador, sem usar links enviados por e-mails, por exemplo.

“Os usuários também devem verificar se estão usando o site oficial do seu banco ao usar serviços bancários online. Na dúvida, consultar a instituição financeira é uma medida altamente eficaz”, afirma o estudo. “Se encontrarem alguma irregularidade, os usuários devem relatá-la por escrito ao banco ou órgãos do consumidor pertinentes”, completa.