Sete meses depois de seu pedido de concordata, a rede de locadoras de vídeo Blockbuster dará início ao seu processo de venda em abril, depois de firmar acordo com credores.

De acordo com a agência Reuters, um grupo de fundos de investimento liderado pela Monarch Capital chegou a um acordo com os credores – que incluem estúdios em Hollywood como a Disney – quanto aos termos do processo de venda.

A dívida da Blockbuster junto aos estúdios soma mais de US$ 100 milhões.

Na ocasião do pedido de concordata, a empresa planejava reduzir sua dívida total de quase US$ 1 bilhão para cerca de US$ 100 milhões.

Os estúdios e outros credores solicitaram à Justiça que o processo de concordata fosse convertido em uma liquidação total da companhia, mas o juiz Burton Lifland decidiu contra.

Agora, o acordo prevê uma audiência em 4 de abril, seguida por outra três dias depois para aprovar a venda. Os atuais negócios da Blockbuster podem ser preservados após a operação, ainda que o comprador tenha a opção de encerrá-los parcial ou totalmente.

A companhia, que conta com 2,5 mil lojas nos Estados Unidos, vem lutando contra a concorrência de serviços online de filmes como o Netflix.

No Brasil, o direito de uso da marca Blockbuster foi adquirido pela Lojas Americanas em 2007, por 20 anos, não possuindo vínculos com as operações internacionais da empresa.