Tamanho da fonte: -A+A

Com ênfase para a importância das liberdades, individuais e econômicas, e o respeito aos direitos e às instituições, Jorge Gerdau Johannpeter, defendeu a liberdade econômica como apenas uma das partes do processo democrático.

“A liberdade não se resume à simples existência de uma economia de mercado. É preciso ir além, concedendo aos cidadãos liberdade política e religiosa”, argumentou o presidente da Gerdau.

O empresário expôs que os 50 países com IDH – Índice de Desenvolvimento Humano mais alto são democracias, sendo que Cuba só aparece em 51° lugar.

“Para quem tem dúvida sobre o pensamento liberal, aí estão as estatísticas. Sem capitalismo, a democracia não se sustenta”, salientou.

No entanto, questionou a adequação de medidas quantitativas, citando a euforia do Brasil de avançar da 8ª para a 5ª economia. “Não sei se é tão importante sermos o maior. Devemos ser o melhor, garantido a qualidade de vida”, criticou.  

Gerdau também destacou que a responsabilidade social é individual e que não pretende diminuir o investimento neste campo, mas fazê-lo de forma melhor. “O que o menor puder fazer, o maior não deve interferir”, complementou, salientando o dever de atuação do setor privado em questões de responsabilidade social.

Ainda sobre a descentralização dos serviços e a privatização, observou que o custo por aluno da educação privada em Porto Alegre é uma fração do custo na educação pública.

Por outro lado, citou que os países autoritários na Ásia gozam a curto prazo de vantagens econômicas que não podem ser superadas, enquanto que no Brasil estamos construindo o país sem abrir mão dos direitos e liberdades dos cidadãos.

Questionado sobre a meritocracia, Gerdau defendeu a utilização das técnicas de gestão privadas no setor público. "Criar carreiras dentro do Estado é uma peça chave, utilizada nos países mais desenvolvidos e um desenvolvimento tecnológico que serve para melhoria e qualificação dos serviços públicos", advertiu.

Quanto à liberdade do empresariado no país, o palestrante classificou como razoável. “Dizemos as coisas, mas com cuidado. Nos Estados Unidos, por exemplo, o empresário abre seu voto sem medo, o que não acontece no Brasil”, analisa.

A palestra de Jorge Gerdau integrou o Painel Políticas e Ideias, um dos seis temas do 23º Fórum da Liberdade que encerrou nesta terça-feira, 13, em Porto Alegre.

A atividade ainda contou com a presença do ex-presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, e do ex-presidente da Bolívia, Jorge Quiroga.