Mariano Gordinho

O mercado de distribuição de TI brasileiro vai fechar 2010 com faturamento de R$ 12,4 bilhões, salto de 10% em relação ao ano passado.

Já em 2011, a previsão é que o setor avance mais cerca de 10%, faturando em torno de R$ 13,6 bilhões.

As informações são de um estudo recém realizado pela Abradisti - Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação, fundada em abril deste ano.

A pesquisa, realizada junto a 86 distribuidores, sendo 22 deles filiados à entidade e o restante não filiado, também mostra que há, em todo o país, cerca de 29,4 mil revendas de TI.

Entretanto, segundo o presidente da Abradisti, Mariano Gordinho, o número pode chegar a 40 mil, já que "não foi possível identificar se todas essas empresas estão realmente em atividade, ou mesmo a distribuição geográfica do canal brasileiro".

Norte sem nada
Entre os distribuidores entrevistados para o estudo, 79% têm sede na região Sudeste e 17% no Sul.

O restante se divide em 3% no Nordeste e 1% no Centro-Oeste.

De todos os pesquisados, nenhum é sediado no Norte do país.

Fatia
Conforme Gordinho, a representatividade do setor de distribuidores no mercado de TI nacional ainda é relativamente fraca.

"A distribuição será responsável por 29% dos R$ 69 bilhões que o negócio de tecnologia da informação movimentará em 2010. Tiramos dessa conta a parte de venda de serviços, que não passa pela distribuição", explicou o presidente.

Entretanto, lembra o executivo, mesmo com varejo e venda direta, 30% de tudo o que acontece em TI passa pela distribuição.

Produtos e notas
Ainda segundo o estudo, os players da distribuição geram, em média, 310 mil notas ao mês e entregam quatro milhões de produtos mensalmente.

Empregos
Já o número de empregos gerados é de 163 mil, sendo 10,3 mil diretos e 153 mil indiretos.

A entidade
A Abradisti nasceu com 11 empresas associadas: Abano, AGIS, Alcatéia, All Nations, Cogra, Mazer, Myatech, Network1, Officer, Pauta e SND.

De abril para cá, o número já dobrou, mas a meta é chegar a 60 empresas associadas até meados do ano que vem.

Todos os filiados à entidade contam com o Selo de Certificação Abradisti, que, segundo Gordinho, garante credibilidade aos distribuidores credenciados.