CAMINHÕES

Chineses montam fábrica em Camaquã

18/04/2012 09:40

Serão produzidos caminhões e de veículos comerciais leves. Investimento é de R$ 185 milhões e a construção deve começar em 2013.

Caminhões da Shiyan Yunlihong.

Tamanho da fonte: -A+A

A chinesa Shiyan Yunlihong vai construir uma fábrica de caminhões e de veículos comerciais leves de R$ 185 milhões em Camaquã, cidade 123 quilômetros ao sul de Porto Alegre. A construção deve começar em 2013.

A montadora é um dos braços da gigante chinesa Dongfeng Motor Corporation, que produz também carros, autopeças, tratores, reboques e ônibus e teve uma receita de US$ 25 bilhões em 2009, segundo dados divulgados pelo governo do estado.

O investimento também era disputado pela vizinha Tapes e por Santa Maria, no centro do estado.

“Fizemos uma opção técnica por Camaquã, por questões de logística e de suprimentos”, ponderou a presidente da empresa, Lian Bing Yun, durante a assinatura do protocolo de intenções no Palácio do Piratini nesta terça-feira, 17.

A previsão é de que sejam gerados 200 empregos na implantação e 455 postos de trabalho na operação.

O Rio Grande do Sul deve responder por 20% das vendas da fábrica, outros estados da federação responderão por 60% e os demais 20% serão destinados à exportação para países da América Latina e África.

“A previsão é de que em um ano e meio a fábrica entre em operação, inicialmente com uma produção de 5 mil veículos por ano com a meta de atingir 20 mil unidades em cinco anos”, explicou a executiva.

Veja também

BIOCOMBUSTÍVEIS
Boeing terá centro P&D no Brasil

São Paulo terá o sexto centro de pesquisa e tecnologia da multinacional de aviação fora dos Estados Unidos.

DRIBLE NO VAREJO
Huawei venderá direto ao público no BR

A Huawei quer ganhar mais clientes no Brasil com uma nova estratégia: a venda direta ao consumidor final, sem passar pelo varejo ou operadoras.

O serviço entra no ar no dia 26, com um novo modelo de celular, cujo preço é R$ 999.

Na prática, as comercializações via e-commerce e f-commerce serão utilizados, com a criação de páginas exclusivas na internet para a compra no país.

Perto aposta na Índia

A Perto vai investir US$ 35 milhões na construção de uma fábrica de terminais de autoatendimento na Índia.

O presidente da empresa, Thomas Elbling, prefere não fazer projeções sobre o faturamento da filial indiana, mas é fácil ver que a Perto tem altas expectativas em um país que tem um grande mercado potencial para ATMs.

Brasil poderá barrar celulares chineses

O governo brasileiro estuda a criação de barreiras à entrada de celulares chineses no país.

Uma investigação no Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior está em andamento, motivada por reclamações de “concorrência desleal” levantadas pela indústria brasileira.

Segundo pesquisa da Abinee, a participação da China em celulares importados saltou de 54%, em fevereiro de 2011, para 85% em agosto do mesmo ano.