Cade: mudanças para facilitar fusões

19/01/2012 10:52

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) analisa a possibilidade de criar até três novos formulários para prestação de informações por parte de empresas em processos fusão e aquisição.

Tamanho da fonte: -A+A

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) analisa a possibilidade de criar até três novos formulários para prestação de informações por parte de empresas em processos fusão e aquisição.

A meta é tornar os formulários mais amplos, abrangendo dados desde o início das operações entre as companhias e detalhando informações específicas que deverão ser apresentadas, dependendo do grau de complexidade dos casos, conforme matéria do DCI.

O presidente interino do Cade, Olavo Chinaglia, explica que, a princípio, poderá haver dois tipos de formulário: um para os casos mais simples, outro para os mais complexos.

Um terceiro formulário será aplicado a casos com complexidade acima da média – que, segundo Chinaglia, são minoria.

Conforme o presidente, cerca de 500 a 600 processos tramitam atualmente no Cade, dos quais entre 60% e 70% tratam de atos de concentração de companhias – casos nos quais a “coisa é mais complicada”, segundo ele.

“As operações terão de ser notificadas anteriormente aos negócios, mas nos primeiros dias a notificação [que chegar] será ainda de operações já realizadas", afirmou o presidente ao DCI.

A matéria pode ser conferida na íntegra pelo link relacionado abaixo.
 

Veja também

Cade aprova parceria Phorm/Telefônica

Foi aprovada nessa quinta-feira, 15, pelo Cade, a parceria entre Telefônica e Phorm para o mercado de internet.

Segundo o site TI Inside, uma operação semelhante já havia sido aprovada no ano passado em relação à uma parceria semelhante com a Oi.

O que parece uma parceria simples de uma empresa de tecnologia e uma operadora de telecom se complica pela forma de funcionamento do sistema da Phorm.

Cade exige e BRF põe dez fábricas à venda

A Brasil Foods vai vender dez fábricas para atender à exigência do Cade - Conselho Administrativo de Defesa Econômica para aprovar a fusão Sadia-Perdigão, que deu origem à companhia.

A companhia anunciou nesta terça-feira, 26, que estão à venda três unidades gaúchas, localizadas em Bom Retiro do Sul, Santa Cruz do Sul e Três Passos; duas catarinenses, em Lages e Salto Veloso; e uma no Paraná, na cidade de Carambeí.

TI: US$ 56,4 bi em fusões no 3T11, diz E&Y

A crise da Europa e o rebaixamento do rating dos EUA afetou fusões e aquisições em várias áreas, mas não na TI: no setor, estas operações cresceram 8%, sequencialmente, no terceiro trimestre de 2011, movimentando US$ 56,4 bilhões.

A avaliação é da Ernst & Young, no relatório trimestral “Global Technology M&A Update”.

TI é o setor que gera mais fusões e aquisições

Levantamento da KPMG indica que o setor de Tecnologia da Informação foi o que realizou o maior número de transações no primeiro semestre de 2011 no Brasil.

Foram 46 operações somente neste mercado (uma além do resultado anotado nos primeiros seis meses de 2010), sendo que 20 delas envolveram empresas de capital nacional.

Valor das fusões em TI dobra

O volume movimentado em operações de fusão e aquisição no setor de tecnologia mais que dobrou no primeiro trimestre de 2011, ao passar de US$ 12,1 bilhões para US$ 27 bilhões em um ano.

Os valores indicam um aumento no valor médio dos negócios, já que o número total de operações saltou 21% para 794.

As informações são de um estudo da Ernst & Young divulgado pelo Valor Econômico nesta quarta-feira, 08.

TIC liderou fusões e aquisições em 2010

Um estudo da Dextron Management Consulting, consultoria especializada em estratégia e gestão de negócios, apontou que o setor de informática e Telecom foi o que mais realizou fusões e aquisições no Brasil em 2010.

Das 318 operações do gênero, 47 aconteceram entre empresas que atuam com tecnologia, o que representa um crescimento de 62% em relação a 2009.

Fusões e aquisições batem recorde no Brasil

As fusões, aquisições e reestruturações societárias no Brasil somaram R$ 184,8 bilhões no ano passado, um desempenho recorde desde 2006, quando teve início o registro com a atual metodologia, segundo estudo da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

PwC: fusões e aquisições abrem ano aquecidas

Relatório da PwC sobre o mês de janeiro de 2011 aponta que o movimento de fusões e aquisições segue aquecido no início deste ano, após os recordes históricos de 2010, com 791 transações.

Segundo a auditora, o volume total do primeiro mês do ano ficou 16% abaixo do registrado no mesmo período em 2010. Ainda assim, as 53 negociações anunciadas até 31 de janeiro seguem acima da média mensal dos últimos cinco anos – 47.