Economia informal representa 18,4% do PIB

22/07/2010 13:18

A economia informal no Brasil equivale a uma Argentina, ou a R$ 578,4 bilhões por ano, o equivalente a 18,4% do PIB. A perda de arrecadação anual chega a R$ 200 bilhões.

http://www.flickr.com/photos/andrea_fregnani/2123221337/sizes/z/in/photostream/

Tamanho da fonte: -A+A

A economia informal no Brasil equivale a uma Argentina, ou a R$ 578,4 bilhões por ano, o equivalente a 18,4% do PIB. A perda de arrecadação anual chega a R$ 200 bilhões.

Esse conjunto de atividades, que compreende toda a produção de bens e serviços não informada aos governos, foi mensurado em um estudo inédito do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, que calculou o Índice da Economia Subterrânea, como também é chamada a economia informal.

De acordo com o levantamento, encomendado pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco), a proporção do índice em relação ao PIB apresentou queda em relação a 2003, quando o índice chegou a 21% do PIB.

A queda, acreditam os especialistas, deve-se ao aumento do crescimento do PIB, elevação do número de pessoas formalizadas no mercado de trabalho e a expansão do crédito.

Outros elementos importantes estão relacionados à modernização da economia, à maior abertura comercial, com o avanço das exportações, e à evolução de sistemas de arrecadação, como as notas fiscais eletrônicas.

A redução da burocracia tributária, com a instituição do regime Super Simples, também colaborou para a formalização, diz a FGV.

"O crescimento do PIB é um santo remédio", comentou Luiz Schymura, diretor do Ibre. Segundo ele, a expansão do nível de atividade permite melhorias institucionais no País, como a busca de eficiência produtiva e o aumento da formalização no mercado de trabalho.

Segundo o responsável pelo estudo, professor Fernando Holanda Barbosa Filho, se o Brasil crescer cerca de 7% neste ano, é factível que o Índice da Economia Subterrânea chegue a 18% do PIB no fim de 2010.

Ainda de acordo com os especialistas da FGV, a informalidade no Brasil ainda é muito alta. Nos países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a taxa está ao redor de 10% do PIB.

Já para André Franco Montoro Filho, presidente executivo do instituto Etco, em outros países da América Latina o índice de informalidade é ainda mais preocupante, chegando a 30% do PIB.

"Considerando a carga tributária, é possível estimar que há sonegação de aproximadamente R$ 200 bilhões por ano no país.Muitos empregos poderiam ser gerados, pois todo o investimento do governo federal no ano chega a R$ 30 bilhões", ressaltou Montoro Filho.

Veja também

Pirataria gera indenização de R$ 1 bilhão

Uma ação por uso indevido de software pode resultar em uma indenização de até R$ 1 bilhão, isso mesmo, R$ 1 bilhão.

Brasil: menor pirataria do BRIC, 2ª menor da AL

O Brasil obteve redução de dois pontos percentuais no índice de pirataria de software no último ano, chegando a uma taxa de 56%. É o quarto ano consecutivo de queda no índice: no acumulado de 2005 a 2009, o volume de programas ilegais do país caiu oito pontos percentuais.

Com 94%, Sul e Sudeste lideram pirataria

O Sul e o Sudeste brasileiros foram líderes do ranking de software pirata no mês de março, com 94% das mídias apreendidas em uma operação realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), Business Software Alliance (BSA) e Entertainment Software Association (ESA).

RS é 4º estado que mais perde com pirataria

O Rio Grande do Sul é o quarto colocado no ranking nacional dos estados com maiores prejuízos devido à pirataria na área de informática.

É o que indica um estudo do IDC, segundo o qual em 2008 a região perdeu cerca de R$ 213 milhões devido a este tipo de crime.

RJ: informalidade domina lan houses
Cerca de 50% das lan houses cariocas são informais, sendo que na Rocinha, onde é estimada a existência de 50 lojas, 100% delas fazem parte do mercado informal.

Os dados são da pesquisa realizada pela Riosoft e pelo Sebrae/RJ no fim de 2009 em lojas dos bairros de Copacabana, Centro e Rocinha.
Sistema evita sonegação em POA
A partir desta segunda-feira, 02, todas as empresas de fora de Porto Alegre que prestam serviços para companhias com sede na capital terão de se cadastrar no Sistema de Cadastro de Prestadoras de Serviços de Outros Municípios (CPOM), desenvolvido pela Procempa.
NF-e aumentou sonegação na carne
A nota fiscal eletrônica, tecnologia concebida para diminuir a sonegação de impostos, teve efeito contrário a sua finalidade no setor de carnes, no qual vigora, de forma obrigatória, desde a segunda-feira, 01.

Segundo declarações do Ronei Lauxen, presidente do Sicadergs, entidade que representa o setor, à colunista de economia do Correio do Povo, Denise Nunes, a medida incrementou a venda do produto sem nota.