Tamanho da fonte: -A+A

O salário médio no Vale do Silício passa de US$ 100 mil ao ano, aponta matéria do Wall Street Journal.

Em reais, o contracheque seria de R$ 176,5 mil, na cotação dessa terça-feira, 24. O valor é quase 50% maior que a média anual no Brasil, tendo por base levantamento da Catho no ano passado e incluindo o décimo terceiro salário.

Dados de outras entidades, porém, indicam que os norte-americanos ganham quatro vezes mais que os profissionais de TI brasileiros.

Segundo o Wall Street Journal, que cita dados do site especializado em vagas para a TI Dice Holdings Inc, engenheiros de software viram um aumento de 5,2% na região, acima dos 2% de fora do Vale.

A matéria do Wall Street Journal não entra em detalhes a respeito da formação profissional complementar – certificações, mestrados, especializações – dos pesquisados pela Dice.

O jornal, no entanto, atribui a alta às empresas de internet que se proliferam na região – como Facebook e Zynga – e tem ganho grande destaque no mercado financeiro.

Essa é a primeira vez, desde 2001, que o salário no Vale do Silício passa dos US$ 100 mil.

Enquanto isso, no Brasil
No Brasil, onde os salário de TI aumentaram 20% em 2010 (último dado disponível), a classe sindical defende que falta de mão de obra e baixa remuneração andam juntas.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de TI (Sindpd), Antonio Neto, a média salarial no setor de TI é de R$ 2,8 mil – citando dados da pesquisa salarial da Brasscom.
 
“Como convencer um jovem de 17 anos a passar cinco ou seis anos estudando, complementar com mais um ano ou dois para se especializar e certificar numa ferramenta utilizada no mercado, para no final deste processo receber quase metade do que um Engenheiro, um advogado ou um médico ganham”, avalia Neto.
 
O presidente do sindicato de TI de São Paulo aponta que dados da FGV indicam uma média salarial de R$ 6,7 mil para médicos e entre de R$ 5 mil e R$ 6 mil para as engenharias, dependendo da especialização.
 
Segundo a Brasscom, apesar das oportunidades de emprego no setor, a evasão nos cursos superiores de TI chegou a 87% no país em 2010.

Leia a matéria completa do Wall Street Journal (em inglês) nos links relacionados abaixo.