Priscilla Bessegio, diretora de expansão geográfica da IBM

Tamanho da fonte: -A+A

Porto Alegre está na lista de quatro cidades que são prioridade máxima para a IBM, dentro da estratégia de interiorização dos negócios estabelecida pela multinacional com foco em 21 cidades brasileiras. Fazem parte do Top 4 da IBM ainda o Rio de Janeiro, Campinas e Belo Horizonte.

“São cidades onde vamos buscar parceiros para toda nossa linha de produtos”, comenta Priscilla Bessegio, diretora de expansão geográfica da IBM para o Brasil que esteve Porto Alegre palestrando no Mesas Redondas no Seprorgs nesta sexta-feira, 28. O objetivo da companhia é desconcentrar os negócios, hoje dominados por São Paulo e Brasília.

A Big Blue fez do evento do sindicato uma vitrine para sua disposição de aumentar o número de canais locais, esclarecendo que aceitará parceiros que trabalhem com produtos concorrentes e acenando com comissões atraentes variando entre 22% e 47% segundo a linha de produtos.

Outros pontos destacados foram a disponibilidade de financiamento via o Banco IBM –inclusive para produtos concorrentes – e a abertura de mercado para os parceiros, visto que a companhia atende diretamente apenas um pequeno grupo de cerca de 20 grandes contas locais como Banrisul, RBS e Sicredi.

O banco cooperativado, aliás, é responsável por acelerar ainda mais a expansão na capital. Depois de assumir o desenvolvimento do Sicredi meio a meio com a Accenture, a IBM deve triplicar seu time alocado na capital gaúcha e mudar para uma nova sede, ainda não definida. Pelo menos 100 ex-Sicredi vão usar o crachá IBM.

“O comando da expansão em mercados emergentes na China nos cobra metas cidade a cidade no Brasil”, revela Priscilla. A IBM, que ao longo do ano passado contratou executivos locais nos novos alvos, já analisa prepara outra lista de cidades objetivo para expansão regional.

O novo posicionamento no país é um desdobramento da estratégia global da IBM, que em 2008 dividiu seus canais entre o mercado consolidado na União Européia, Estados Unidos e Japão e mercados emergentes, dentro dos quais foram projetados outros quatro planos de expansão nos moldes do brasileiro na China, Índia, África e Leste Europeu.
 
A ideia é aumentar o ritmo de ganho de participação dos mercados emergentes no faturamento geral da companhia, que em 2000 era de 15% e hoje está em 19%. A IBM faturou US$ 96 bilhões em 2009.