A presidente Dilma Rousseff voltará à China na próxima semana para uma nova rodada de negociações com a Foxconn, já de olho na ampliação da produção local.

“Uma equipe técnica voltará à China para dar continuidade às negociações com a Foxconn, que numa primeira fase priorizou a operação de iPad e iPhone na unidade de Jundiaí”, informou o ministro de Ciência e Tecnologia (MCT), Aloizio Mercadante, segundo o site Computerworld.

Os esforços de ampliação se dão antes mesmo de a produção já acordada com o governo começar.

Prevista para julho desse ano, a fabricação dos iPads e outros produtos Apple no Brasil, numa fábrica em Jundiaí (SP), acabou sendo adiada para setembro desse ano, por problemas de infraestrutura.

Dificuldade para encontrar profissionais qualificados foi um segundo obstáculo.

“A empresa precisava contratar no Brasil 200 engenheiros que precisam ser treinados na China. Eles conseguiram só 170”, explicou Mercadante à Computerworld.

Apesar dos percalços, o governo quer que os chineses aumentem a presença no Brasil.

Junto com Dilma irá o próprio Mercadante, além do ministro da Fazenda e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O time vai negociar com a fabricante a produção de telas para iPhone, tablets e também para PCs.

Segundo o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, caso se fabrique localmente as telas sensíveis ao toque que equipam não apenas os produtos da Apple, mas de outros fabricantes, o Brasil será o único local fora da Ásia com esse tipo de produção.