TIC: 105 oportunidades para SMB com a Copa

29/03/2011 16:07

As micro e pequenas empresas de TIC do país têm tudo para lucrar com a Copa do Mundo de 2014.

É o que revela um estudo encomendado pelo Sebrae à FGV segundo o qual das 448 oportunidades de negócio que o evento gerará para o SMB brasileiro, 105 serão para a área tecnológica, com destaque para desenvolvimento de softwares, projetos e assistência técnica, manutenção e suporte.

O presidente do Sebrae, Luiz Barreto

Tamanho da fonte: -A+A

As micro e pequenas empresas de TIC do país têm tudo para lucrar com a Copa do Mundo de 2014.

É o que revela um estudo encomendado pelo Sebrae à FGV segundo o qual das 448 oportunidades de negócio que o evento gerará para o SMB brasileiro, 105 serão para a área tecnológica, com destaque para desenvolvimento de softwares, projetos e assistência técnica, manutenção e suporte.

“Os serviços terão destaque, especialmente na implantação de sistemas, suporte e assistência à automação comercial, bem como infraestrutura de Internet, como no caso de pequenos provedores e prestadores de serviços relacionados à área de tele e radiodifusão, entre outros setores da comunicação”, destaca Vinicius Lages, gerente de Serviços do Sebrae.

O executivo também destaca oportunidades em tecnologia móvel, além da área de interatividade, convergência e redes sociais.

Segundo ele, as PMEs que souberem se preparar para atender às demandas da Copa terão condições não só de aproveitar as oportunidades mapeadas pelo estudo, que tratam do período pré e durante o evento, mas também negócios a longo prazo.

E tal preparação depende de fatores como gestão, adequação à regimentos e regulamentações tanto legais quanto contratuais, certificações e controle de qualidade.

Para auxiliar nesta adequação, a instituição lança o Programa Sebrae na Copa de 2014, que receberá, até 2013, investimentos de R$ 79,3 milhões a serem aplicados em ações de consultoria, inovação e acesso a mercados – o que contempla também outros setores, além da TIC, como turismo, construção e artesanato.

“Trata-se de adequar não só grupos de empresas, mas também prestar atendimentos individuais, preparando todos os setores para a formação de matrizes de competitividade, ou seja: dando-lhes a garantia de preparo para aproveitar este mercado em aberto”, comenta Lages.

O “Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede”, como foi batizado o estudo do Sebrae/FGV, terá ainda novos desdobres, nos próximos meses.

Uma segunda etapa, por exemplo, irá identificar as atividades mais promissoras para cada setor, em cada estado que sediará a Copa.

Estado por estado
O levantamento, que levará em conta as aptidões locais, já está em andamento, na área de TIC, no Paraná, Rio de Janeiro, Pernambuco, Distrito Federal e Ceará.

Até maio, deverão estar concluídos os dados regionais de todos os setores avaliados.

“E ainda no primeiro semestre de 2011 vamos mapear mais cinco setores: agronegócio, madeira e móveis, têxtil e confecção, comércio varejista e serviços”, afirma Lages. “Queremos aproveitar o impulso da Copa para permitir que as MPEs ocupem um espaço maior na economia, não apenas no período até 2014, mas no futuro”, destaca ele.

Para embasar o argumento, o presidente do Sebrae, Luiz Barreto, afirma que, atualmente, 99% das empresas brasileiras são micro ou pequenas e respondem por 20% do PIB.

“Em países como a Alemanha, a participação delas no PIB chega a 40%”, afirma Barretto.

E para resolver o problema, o executivo sugere, além do fomento à profissionalização da gestão das MPEs, também uma aproximação com as grandes empresas, formando grupos para maximização do aproveitamento de oportunidades.

“Tão importante quanto capacitar os gestores das pequenas é articular, junto às grandes corporações, a inserção destas nas principais cadeias produtivas, e já iniciamos o diálogo com as principais associações empresariais nesse sentido”, revela o presidente.

Barreto explica que para aplicar as consultorias e treinamentos planejados pelo Sebrae para o programa, a entidade irá realizar encontros de negócios em todos os estados-sede da Copa, reunindo empresários (fornecedores e compradores de produtos e serviços), associações de classe, bancos de financiamento e outras entidades.

Ao todo, serão 12 encontros, um por cidade-sede, que devem começar ainda no primeiro semestre deste ano.

Regras do jogo
O Mapa de Oportunidades do Sebrae aponta, além das oportunides de negócio, quais são os requisitos obrigatórios e classificatórios que devem ser cumpridos para que os empresários possam garantir seu espaço no mercado.

Eliminatórios são aqueles sem os quais uma empresa é ou não contratada, normalmente por questões legais, como alvará de funcionamento, nota fiscal, CNPJ e inscrição estadual.

Já os classificatórios são os que agregam diferencial às empresas, sendo divididos em três tipos: documentação específica, gestão e sustentabilidade.

Na documentação específica, para a TI destacam-se a Certificação Empresarial para Gerenciamento de Serviços de TI (ISO 20.000), além de CMMI e MPS-BR.

“Há também os requisitos de gestão, como histórico de serviços prestados e treinamento de clientes para operação dos equipamentos. Nos de sustentabilidade, destacam-se a administração e utilização da TI verde e Certificação SA8000”, detalha Barreto.

Densidade
Outro dado do mapeamento é o índice de densidade das micro e pequenas empresas dentro dos mercados avaliados.

Em uma escala de 0 a 1, em TI o de maior densidade é o de operação de equipamentos de rádio e transmissão móvel externa, com índice de 0,82, ao lado dos serviços de provedores, com o mesmo grau.

Já assistência técnica, manutenção e suporte a equipamentos móveis de transmissão de sinais de TV vêm com 0,75, mesmo índice de suporte e manutenção de centrais telefônicas e terminais privados.

Aluguel de máquinas e equipamentos não especificados têm 0,71.

Veja também

Copa 2014: você paga 98,5% dos R$ 23 bi

Dos R$ 23 bilhões orçados para as obras da Copa de 2014, 98,56% sairão dos cofres públicos.

É o que aponta um estudo do Tribunal de Contas da União divulgado pela Folha de São Paulo neste domingo, 27.

Há dois anos, o presidente do Comitê Organizador Local, Ricardo Teixeira, declarar que a maioria dos gastos do próximo Mundial seria bancada com dinheiro privado.

Copa e Olimpíadas trarão US$ 90 bi em 3 anos

O cenário formado por Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016 deve gerar investimentos de mais de US$ 90 bilhões em novos negócios no país nos próximos três anos.

A previsão é dos organizadores do RioInvestment 2011, evento para investidores que ocorre de 22 a 24 de março no Rio de Janeiro.

FGV: Copa vai gerar negócios para 7,7 mil MPE

Estudo encomendado pelo Sebrae junto à Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que a Copa do Mundo de 2014 deverá beneficiar 7,7 mil micro e pequenas empresas (MPE) nas 12 cidades-sede em que se realizará a competição.

A área de tecnologia da informação é uma das beneficiadas, segundo os dados da FGV.

MPEs buscaram 96% mais dinheiro do BNDES

Em 2010, as micro, pequenas e médias empresas brasileiras buscaram mais financiamentos, segundo dados divulgados pelo BNDES.

Conforme a instituição, no ano passado o segmento buscou R$ 45,6 bilhões em empréstimos – alta de 96% sobre o volume emprestado ao setor em 2009.

Já os desembolsos do BNDES para grandes empresas cresceram menos de 10% em 2010.

Brasil pode ficar sem 4G na Copa de 2014

O Brasil pode “perder o bonde” da telefonia de quarta geração, e acabar não oferecendo a faixa até a Copa de 2014. É o que declarou o  diretor para América Latina e Caribe da associação 4G Américas, Erasmo Rojas, ao jornal Valor Econômico dessa sexta-feira, 07.

A associação de Rojas reúne empresas de telefonia móvel de todo o mundo.

Fiergs: incentivo fiscal na Copa e Olimpíada

As possibilidades de investimento abertas por meio de financiamentos e redução de impostos relativas à realização no Brasil da Copa do Mundo de 2014 e aos Jogos Olímpicos de 2016 estarão em debate na Fiergs na segunda-feira, 08 de novembro, das 13h30 às 17h.

Os assuntos serão debatidos em um evento cuja programação iniciará com o painel "Panorama dos projetos existentes e oportunidades", apresentado pelo advogado Bruno de Luca Drago.

ClaireConference quer dobrar carteira de MPEs

A ClaireConference, especializada em tele e web conferência, projeta dobrar o número de clientes de micro e pequeno porte de sua carteira até 2011. Hoje, estas empresas representam 13% do faturamento da companhia, que atende a 134 das 500 maiores organizações do país.

Hostlocation investe em cloud para MPEs
A virtualização e a computação em nuvem formam um mercado potencial de mais de três milhões de usuários no Brasil, segundo estimativas da Hostlocation, data center especializado em MPE´s, baseado no segmento nacional de micro e pequenas empresas.

A avaliação se baseia em um levantamento do Sebrae segundo o qual as MPEs são hoje 98% das 5,1 milhões de empresas existentes no país.
Inova RS: R$ 13,3 mi para MPEs
As micro e pequenas empresas gaúchas contarão com R$ 13,3 milhões para investimentos não reembolsáveis em inovação tecnológica.

Os recursos serão disponibilizados a partir da assinatura do Edital Inova Pequena Empresa RS, que ocorre na sexta-feira, 27, às 9h, no Ceitec.