Fusões caem no Brasil, diz E&Y Terco

30/01/2012 15:19

O número de fusões e aquisições no Brasil registrou queda no quarto trimestre de 2011, ficando 16% abaixo do que no mesmo período de 2010, segundo dados da Ernst & Young Terco.

Conforme a consultoria, foi o segundo trimestre consecutivo de queda no setor: no 3T11, o volume destes negócios no país havia tido queda anual de 14%.

Tamanho da fonte: -A+A

O número de fusões e aquisições no Brasil registrou queda no quarto trimestre de 2011, ficando 16% abaixo do que no mesmo período de 2010, segundo dados da Ernst & Young Terco.

Conforme a consultoria, foi o segundo trimestre consecutivo de queda no setor: no 3T11, o volume destes negócios no país havia tido queda anual de 14%.

Com isso, o valor total de transações brasileiras anunciadas apresentou uma retração trimestral de 38%, alcançando o nível mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010.

Segundo Ricardo Reis, líder de fusões e aquisições da Ernst & Young, as quedas refletem uma pausa nas transações por parte de investidores estrangeiros, que pararam para reavaliar possíveis negócios no Brasil, em função da turbulência na economia global.

Ainda conforme o especialista, não foi só o número de acordos que decaiu, mas também o valor das negociações realizadas, que decresceu 26%, em média, na comparação trimestral.

Conforme Reis, o valor médio dos acordos para negócios envolvendo o Brasil está em US$ 293 milhões.

Globalmente, a situação não é diferente: o estudo da Ernst & Young mostra que os negócios de M&A tiveram queda de 14% no 4T11, ante os quatro meses anteriores, e de 18% na comparação anual.

O valor das transações globais também decaiu, com retração de 25% trimestre/trimestre.

Assim como no mercado brasileiro, este valor também está no patamar mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010.

Mundialmente, os líderes de redução no volume de fusões e aquisições são Europa Central e do Leste (61%) e Oceania (51%).

Por setor, a indústria automotiva é a única com elevação no valor das negociações, de 6%, e na quantidade de negócios, de 11%.

No fim da lista, a área com pior desempenho é Telecom, com queda de 74%, seguida por gestão de recursos (-56%), bancos (-50%) e consumo (-41%).
 

Veja também

Ernst & Young: segurança de TI ficou para trás

Pressionadas para adotar novidades como computação em nuvem e tablets, as organizações estão deixando as preocupações de segurança de TI para trás.

Ernst & Young: novos diretores no Brasil

A Ernst & Young Terco acaba de contratar novos diretores para Transações e Consultoria no Brasil.

Para o primeiro cargo, o contratado foi Ricardo Reis, que ficará no escritório de São Paulo, tendo como missão liderar negócios de fusões e aquisições. O executivo já atuou em companhias como McKinsey, Rabobank e Credit Agricole nos EUA e Brasil.

Ernst & Young: 30 IPOs no Brasil em 2011

Cerca de 30 empresas devem abrir capital na Bovespa em 2011, colocando o Brasil de volta ao ritmo de IPOs de 2007, pelo menos em valores totais movimentados.

A previsão é da Ernst & Young, que baseia a projeção no bom momento devido ao aumento do poder de consumo das classes C e D, perspectivas com Copa do Mundo e Olimpíadas e a exploração de petróleo da camada pré-sal.

Cade: mudanças para facilitar fusões

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) analisa a possibilidade de criar até três novos formulários para prestação de informações por parte de empresas em processos fusão e aquisição.

TI: US$ 56,4 bi em fusões no 3T11, diz E&Y

A crise da Europa e o rebaixamento do rating dos EUA afetou fusões e aquisições em várias áreas, mas não na TI: no setor, estas operações cresceram 8%, sequencialmente, no terceiro trimestre de 2011, movimentando US$ 56,4 bilhões.

A avaliação é da Ernst & Young, no relatório trimestral “Global Technology M&A Update”.

TI é o setor que gera mais fusões e aquisições

Levantamento da KPMG indica que o setor de Tecnologia da Informação foi o que realizou o maior número de transações no primeiro semestre de 2011 no Brasil.

Foram 46 operações somente neste mercado (uma além do resultado anotado nos primeiros seis meses de 2010), sendo que 20 delas envolveram empresas de capital nacional.

Valor das fusões em TI dobra

O volume movimentado em operações de fusão e aquisição no setor de tecnologia mais que dobrou no primeiro trimestre de 2011, ao passar de US$ 12,1 bilhões para US$ 27 bilhões em um ano.

Os valores indicam um aumento no valor médio dos negócios, já que o número total de operações saltou 21% para 794.

As informações são de um estudo da Ernst & Young divulgado pelo Valor Econômico nesta quarta-feira, 08.

TIC liderou fusões e aquisições em 2010

Um estudo da Dextron Management Consulting, consultoria especializada em estratégia e gestão de negócios, apontou que o setor de informática e Telecom foi o que mais realizou fusões e aquisições no Brasil em 2010.

Das 318 operações do gênero, 47 aconteceram entre empresas que atuam com tecnologia, o que representa um crescimento de 62% em relação a 2009.

Fusões e aquisições batem recorde no Brasil

As fusões, aquisições e reestruturações societárias no Brasil somaram R$ 184,8 bilhões no ano passado, um desempenho recorde desde 2006, quando teve início o registro com a atual metodologia, segundo estudo da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).