Gilmar Batistela, presidente da Resource

Tamanho da fonte: -A+A

Abrir 150 vagas por mês é a projeção da Resource para os próximos 10 meses.

A empresa, que criará pelo menos 1,5 mil posições até o final do ano, oferecerá a maioria das oportunidades para analistas DOT.Net (60% delas) e JAVA/J2EE (25%). O restante será destinado a gerência de projetos, analistas de requisitos, funcional, de suporte e de telecomunicações.

No total, a empresa deve encerrar o ano com 3,5 mil colaboradores.

O aumento na equipe visa a manter o crescimento. Segundo Gilmar Batistela, presidente da Resource, a companhia está prevendo um momento de forte expansão na demanda.

“Em 2010, crescemos 70% e a expectativa para 2011 é crescer 30%, considerando apenas o crescimento orgânico”, afirma Batistela.

Carolina Martins explica que vagas vão surgindo no decorrer do ano, de acordo com as demandas dos projetos de TI.

“Nossa previsão é preencher, efetivamente, 1500 vagas, mas podemos chegar a trabalhar com mais de 2800 perfis, em 2011”, disse Carolina Martins, gerente de Recrutamento e Seleção da Resource.

Perfil do profissional
As oportunidades incluem profissionais de toda a cadeia de tecnologia e com conhecimentos, principalmente, em ambiente WEB (Dot.Net e Java/J2EE), Mainframe (Cobol, CICS, VSAM, DB2) e Cliente Server.

Existe também grande demanda para profissionais da área de telecomunicações com experiência em redes de dados Lan, Wan, TCP/IP, BGP, OSPF, EIGRP, roteadores e switches da Cisco, ambientes de telefonia fixa, PABX (Avaya, Siemens, Cisco, Nortel), correio de voz, Cisco Call Manager, Cisco Voice Gateway, IP Telephony, Cisco Unity, conexões entre Gateways Cisco e PABX, MGCP, CUOM - Cisco Unified Operations Manager, CTI e IVR.

Além de serem especializados nas diversas tecnologias citadas, os candidatos também precisam ter inglês ou outro idioma fluente, conhecer as principais metodologias de desenvolvimento de sistemas e ser um profissional certificado.

No ano passado, a empresa teve faturamento de R$ 200 milhões, alta de 70% frente aos resultados de 2009.

O resultado, embalado por aquisições, é bem acima da média de crescimento dos últimos anos, que ficava na casa dos 30%. Foram três compras nos últimos três anos, agregando R$ 50 milhões de receita extra.

Ao longo de 2010, a empresa já dobrou o número de funcionários para 2 mil e o número de escritórios em São Paulo para seis.