Elisângela Laumann, a nova diretora de Desenvolvimento de Software da Benner Sistemas

Tamanho da fonte: -A+A

A Benner Sistemas, fornecedora de ERP com sede em Blumenau e mais de 3,9 mil instalações realizadas em clientes de todo o Brasil, acaba de contratar Elisângela Laumann como diretora de Desenvolvimento de Software.

A executiva, que tem mais de 13 anos de experiência na área de desenvolvimento, vinda de empresas como Datasul e Totvs, vai atuar na unidade blumenuense e será responsável por reestruturar os processos de seu setor e as equipes de atendimento no Sul.

Aposta nas nuvens

O foco da nova diretora serão projetos de cloud computing, uma das maiores apostas da Benner para crescer pelo menos 32% este ano.

Conforme Elisângela, a expectativa é que até o segundo semestre boa parte dos processos de desenvolvimento da companhia já estejam na nuvem.

"Minha principal atribuição será manter a qualidade em todos os segmentos atendidos e preparar a empresa para a expansão dos negócios, consolidação de novos sistemas e ampliação do portfólio, que será ofertado no modelo de cloud computing", explica Elisângela.
 
Regendo uma equipe de mais de 250 profissionais, a nova diretora também vai encabeçar os projetos de padronização de plataforma tecnológica da companhia e unificações de padrões.
 
Elisângela traz para a Benner a experiência de quem já renovou os modelos de desenvolvimento de software de Totvs e Datasul, onde também implantou metodologias como a ISO9000, CMMi e RUP.

A executiva é graduada em Tecnologia da Informação pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) e possui curso técnico em processamento de dados pela Escola Técnica Tupy.
 
Timão

A profissional não é o único reforço recente do time da Benner: há cerca de uma semana, a companhia anunciou Vera Lúcia Silva como sua nova gerente de Canais.

A executiva, vinda da gerência de Administração de Vendas e Canais no Grupo Digicon, além de ter passado por Telemática e Senior Sistemas, chegou com a missão de reforçar a área na companhia blumenauense, que quer ter no canal 50% de suas vendas em 2011.

“Minha atuação será baseada principalmente em ações de marketing e consultoria para apoio aos parceiros na implementação de processos adequados”, comenta a executiva.

Vera é graduada em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí e pós-graduada em Marketing pela FGV.

A empresa

Hoje, a carteira de clientes da Benner conta com mais de 600 nomes, incluindo Santander-Banespa, Bayer, HSBC e Pão de Açúcar, entre outros.

A empresa fornece ERP para diversas verticais.

Só em saúde, turismo e compliance, por exemplo, as soluções da empresa são responsáveis pela administração de 10 milhões de vidas, emissão de 250 mil passagens aéreas/mês e gerenciamento de cinco milhões de processos judiciais.

Há 13 anos no mercado e com capital 100% nacional, a companhia está entre as três maiores empresas de software de gestão empresarial do Brasil, segundo dados próprios.

Rumor de fusão...

Em março deste ano, correram o mercado rumores de uma possível fusão no caminho da empresa, que estaria negociando a formação de uma holding com faturamento anual de R$ 500 milhões.

Caso concretizado, o negócio criaria uma segunda empresa de ERP nacional de porte, só atrás da Totvs, cujo faturamento anual já está na casa do R$ 1 bilhão – o último número de receita divulgado pela Benner data de 2008, quando fechou o ano com R$ 54 milhões, expansão de 15%.

Na divulgação, a Benner projetava crescimento de 45% para 2009. Se efetivada e mantida em 2010, a projeção geraria para a empresa, em 2010, faturamento ao redor de R$ 113 milhões.

Na época, fontes de mercado ouvidas pelo Baguete Diário informaram que pequenas sociedades da empresa, como a paranaense Benner Saúde (sistemas de gestão de planos de saúde) e a Benner BH, de Belo Horizonte (ferramentas para logística), seriam incorporadas ao mesmo grupo.

Um outro grande parceiro completaria o negócio, chegando ao faturamento pretendido.

As aquisições seriam viabilizadas por um investidor suíço e, efetivada a união, Severino Benner, presidente da companhia, seria o sócio majoritário, com 73% do negócio.

Procurada pela reportagem do Baguete Diário, a Benner negou por meio de sua assessoria de imprensa tanto a formação da holding como a negociação para uma fusão.

Mercado em reconstrução
Se ocorresse, a negociação também marcaria a volta do movimento de consolidação no mercado de ERP brasileiro, estancado desde a compra da Datasul pela Totvs, em junho de 2008.

O negócio deu à Totvs 49,1% de market share no mercado nacional de sistemas de gestão, segundo dados do Gartner.