Marcos Mylius assumiu o cargo de Partners Manager da Progress

Tamanho da fonte: -A+A

A Progress Software Brasil reativou sua política de fortalecimento de vendas via canal. Como parte da estratégia, acaba de contratar Marcos Mylius para assumir o cargo de Partners Manager.

O profissional gaúcho é experiente no ramo, tendo atuado nas áreas de vendas e canais de empresas como Oracle, Microsoft, SAP e Dell ao longo dos últimos 18 anos.

Na Progress, a missão de Mylius será buscar alianças comerciais junto a revendas, integradores e distribuidores de TI com atuaação em nichos como BPM, SOA e consultoria estratégica de TI.

“Já assinamos com a Softtek e a Sensedia”, revela o executivo, adiantando que está na fase final de filiação para um parceiro na área de compras públicas e outro mais focado na região Sul, mas sem revelar as metas gerais do programa de canais da Progress.

Na avaliação de Luiz Cláudio Menezes, presidente da Progress Software Brasil, a nova área de parceiros gerenciada por Marcos Mylius representa o amadurecimento de um processo iniciado ao final de 2009, quando a Progress passou a nomear os primeiros parceiros de revenda no Brasil, após 11 anos de operação exclusivamente via application partners e através de vendas diretas.

A estruturação de uma nova força de vendas faz parte da aposta da companhia em soluções de monitoramento de negócios em tempo real da nova suite RPM (Responsive Progress Management) que nos últimos anos vem tirando espaço da tradicional plataforma de desenvolvimento OpenEdge.

“Esse tipo de tecnologia permite às empresas resolver problemas em tempo real, em vez de agir tarde demais, quando o dano já foi causado”, comenta Mylius. Uma das soluções do portfólio RPM é a Apama, que permite a corretoras como a Link monitorar e reagir automaticamente as movimentações da bolsa, dentro do conceito de trading algorítmico.

A Progress espera que o programa de canais tenha reflexo no resultado do primeiro trimestre do próximo ano fiscal, contribuindo para elevar a taxa de crescimento média no país, situada em 35% nos últimos anos.

O Brasil tem sido destaque entre as subsidiárias da Progress. Em visita ao Brasil em outubro do ano passado, o CEO Ricky Redy revelou que o país respondia na época por 4% do faturamento mundial da empresa – o dobro da média habitual em multinacionais instaladas por aqui – com o objetivo de chegar a  10% em alguns anos.