As empresas brasileiras estão à frente da média mundial no uso de nuvem e virtualização. O resultado está no estudo mundial Cisco Connected World, divulgado nessa quinta-feira, 09.

Segundo o relatório, 27% das companhias no país já utilizam aplicações na nuvem, enquanto que a média mundial é de 18%.

A Alemanha aparece empatada com o Brasil no quesito, seguida da Índia (26%), Estados Unidos (23%) e México (22%).

O país também deve permanecer acima da média mundial na adoção de computação em nuvem nos próximos anos, já que a estimativa é que 70% das companhias possuam a tecnologia – ficando abaixo apenas da Índia (76%).

A média mundial foi de 52%. Ainda com relação às tendências para cloud computing no mundo, a grande maioria (88%) dos gestores de TI entrevistados prevê a armazenagem de alguma porcentagem dos dados e aplicativos das suas empresas em clouds privadas ou públicas nos próximos três anos.

Um em cada três desses profissionais disse que mais da metade dos dados e dos aplicativos de suas empresas estarão em clouds privadas nos próximos três anos, enquanto um em cada três (34%) disse que pretende fazê-lo em um ano, 44% dizem que suas empresas irão usar clouds públicos dentro de dois anos e 21%, dentro de dois ou três anos.

Em relação à virtualização, 47% dos profissionais de TI no Brasil entrevistados afirmaram que mais da metade dos servidores nas empresas em que atuam já são virtuais.

O índice mundial foi de 29% das empresas com mais da metade de virtualização.

A previsão para os próximos três anos é que 64% das empresas no país mantenham mais de 50% de servidores virtuais, sendo que 16% devem atuar com 100% de virtualização. Mundialmente a média para o período deve ser de 46% (com pelo menos 50% de virtualização) e 5% (com 100% de virtualização).

A pesquisa foi realizada em 13 países (Brasil, EUA, México, Reino Unido, França, Espanha, Alemanha, Itália, Rússia, Índia, China, Japão e Austrália) entre 16 de agosto e 7 de setembro.