Tamanho da fonte: -A+A

A Cigam, fabricante de sistemas de gestão sediada em Novo Hamburgo, acaba de colocar no mercado o Cigam Mobile, um software que coloca funções do seu ERPs nos celulares dos clientes.

A novidade é produto de um investimento total de R$ 1,2 milhão ao longo de um ano, 40% deles oriundos de um financiamento a fundo perdido da Finep.

Um total de 50 pessoas estiveram envolvidos em algum ponto do projeto, incluindo dois doutores na área de TI que atuaram como consultores. O sistema pode ser acessado via web, em celulares rodando iOS, Android e em breve Windows 8.

O Cigam Mobile será apresentado no Hotel Deville em Porto Alegre nesta quinta-feira, 19, a partir das 9h e depois em Belo Horizonte, São Paulo, Brasília e Cuiabá e é uma aposta da companhia por manter-se alinhada às últimas tendências em termos de ERP.

“A empresa não pode ficar parada porque um diretor não está na mesa para autorizar uma venda, uma viagem ou qualquer outra coisa”, comenta Robison Klein, diretor da Cigam.

Aprovações como as mencionadas por Klein estão entre as funcionalidades mais simples do Cigam Mobile, que será oferecido aos clientes por módulos, incluindo também possibilidade de acesso a documentos e o fluxo de caixa das empresas.

Da base total de 2,8 mil clientes da Cigam, a expectativa da empresa é que pelo menos 30% comecem a usar as funções mais básicas nos próximos seis meses. Já o uso de funções mais sofisticadas, que tem custos adicionais de adaptação, deve ficar entre 5 e 10%.

Em termos financeiros, essa adesão deve representar R$ 260 mil do faturamento de R$ 42 milhões previsto para 2012, uma alta total de 20,6% frente aos resultados do ano passado.

A precisão cautelosa de receita para o primeiro ano – menos de 1% da receita total – se deve ao tipo de venda que uma solução de mobilidade exige, explica Klein.

“Os clientes já tem uma solução de gestão funcionando e podem acreditar que o investimento não compensa”, analisa o empresário. “Mas nós temos notados que os novos clientes já pediam esse tipo de funcionalidade. É uma questão de tempo para a demanda crescer”, projeta.