RNX inicia em FIDC com base no QuickFactor

19/10/2011 14:13

A RNX Factoring, de Brusque, acaba de iniciar operações no Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), com planos de movimentar de R$ 100 milhões em cinco anos.

Para administrar a nova estratégia, a RNX aposta no QuickFactor, software de gestão financeira da blumenauense Quick Soft, que também presta serviço de backup remoto e de hosting para a empresa.

O FIDC é sustentado por investidores da bolsa de valores que procuram por negócios vantajosos para aplicarem seus recursos.

Tamanho da fonte: -A+A

A RNX Factoring, de Brusque, acaba de iniciar operações no Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), com planos de movimentar de R$ 100 milhões em cinco anos.

Para administrar a nova estratégia, a RNX aposta no QuickFactor, software de gestão financeira da blumenauense Quick Soft, que também presta serviço de backup remoto e de hosting para a empresa.

O FIDC é sustentado por investidores da bolsa de valores que procuram por negócios vantajosos para aplicarem seus recursos.

O dinheiro recebido desses investidores é depositado em uma conta bancária no nome do FIDC e utilizado na compra de títulos, duplicatas e cheques pré-datados de empresas.

Para analisar os títulos comprados pelo fundo, geralmente é contratada uma consultoria responsável pela função – neste caso, a RNX.

“Realizamos todo o processo de análise e seleção de recebíveis, conferindo o crédito e o endereço das empresas”, revela Marcelo Renaux, diretor da RNX.

Ele explica, ainda, que a isenção de impostos permitida pelo FIDC é um dos principais atrativos que fazem as empresas optarem pelo serviço.

“Toda operação de crédito deve ser taxada com o IOF, que representa 0,38% sobre o valor total da operação, mais uma taxa de 1,5% ao ano, ajustada pelo prazo. Assim, o IOF costuma aumentar em mais de 0,5% o custo das operações de antecipação, seja com bancos ou factorings. O FIDC é isento de IOF”, destaca.

Após a formalização da compra de recebíveis, o valor líquido é depositado via TED na conta bancária da empresa cedente, sem intermédio da consultoria, para garantir segurança aos investidores sobre a utilização dos recursos do FIDC.

“O depósito via TED é obrigatório e dá a garantia também às empresas cedentes de que não será realizado nenhum outro tipo de negócio envolvendo seu nome”, completa Renaux.

Ainda segundo o diretor, o FIDC é uma atividade que complementa a atuação das “factorings”, atividade em que a RNX iniciou, em 2004, mas que hoje responde por 40% de suas operações.

No próximo ano, a companhia catarinense projeta aumentar as operações do FIDC e reduzir as de factoring a 10%.

“Nossos maiores clientes já foram migrados para o novo serviço”, conta Renaux. “Somos uma das primeiras empresas catarinenses do setor a criar um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios, e planejamos iniciar a captação de recursos na Bovespa a partir do próximo ano”, completa.

QuickFactor
O software da QuickSoft, lançado em julho de 2011, é voltado a empresas de factoring, FIDC e securitização.

A ferramenta é 100% web e automatiza toda a análise de crédito e conferência de endereços realizadas durante o processo de atuação da RNX.

A solução é subdividida em módulo de negócios e integrada ao Serasa e Equifax, o que facilita a consulta e crédito, além de contar com assinatura digital integrada, dispensando a utilização de outros softwares específicos.

O sistema conta, ainda, com o módulo cliente, que permite ao cedente acessar o sistema e visualizar sua carteira, emitir e assinar documentos e comandar instruções bancárias, entre outras funcionalidades.

Além disso, realiza contabilização e gera fluxo de caixa automaticamente, permitindo controle online de todos os lançamentos, bem como o acompanhamento do FIDC, mediante valorização de cotas, curva de títulos, apuração de resultados e acompanhamento da carteira.

Renaux ressalta, ainda, o serviço de armazenamento e backup remoto realizado pela fornecedora blumenauense.

“Em casos de roubo ou incêndio, por exemplo, também temos a garantia que não perderemos nenhuma informação, já que tudo está no servidor da QuickSoft”, garante o diretor.