O gerente de TI do Mãe de Deus, Ricardo Sahlberg

O Sistema de Saúde Mãe de Deus está em vias de padronizar a base de sistemas de todos os seus hospitais, espalhados por Porto Alegre, Torres, Capão da Canoa, Campo Bom, Taquara, Santo Antonio da Patrulha e Canoas.
 
O desafio já começou, e vai de vento em popa: desde dezembro de 2010, quando a direção do grupo anunciou a aquisição do antigo Hospital da Ulbra, o que agregou novas máquinas, sistemas e usuários à rede, a TI da casa, junto com a Gruppen, já virtualizou sete hospitais, incluindo o também recém comprado Hospital de Pronto Socorro de Canoas.

O investimento, até agora, totaliza em torno de R$ 520 mil, incluindo licenças do Citrix XenDesktop, horas de consultoria da Gruppen, parceira no projeto de virtualização; e aquisição de dois novos storages EqualLogic e oito servidores Dell.

100 máquinas em 03 horas
“Foi um projeto em tempo recorde, no caso do Hospital Universitário (antigo da Ulbra)”, conta Ricardo Sahlberg, gerente de TI do Mãe de Deus. “Foram mais de 100 desktops em três horas, graças à tecnologia de virtualização, que nos desobrigou de focar infraestrutura, formatar máquinas etc. Só nos preocupamos em unificar a base e disponibilizar acessos”, completa.

Concluída a primeira etapa do projeto, 1,8 mil usuários já contam com uma base padronizada de sistemas – estruturada basicamente sobre o ERP MV.

Mais virtuais
Agora, a meta é virtualizar as três unidades restantes - Campo Bom, Torres e Capão da Canoa -, projeto agendado para o segundo semestre do ano.

Máquinas, outsourcing e certificação digital
Também para 2011 está nos planos do Mãe de Deus renovar o parque de estações de trabalho, o que deve acontecer com o máximo uso possível de thin clients e virtualização, garante Sahlberg.

Para tanto, está previsto um novo investimento em Citrix e hardware para suportar a ampliação do uso das máquinas virtuais.

Outro projeto é estender o outsourcing de impressão, fornecido pela Sini, às duas unidades onde ainda não foi implantado: Torres e Capão da Canoa.

“Hoje, Hospital Mãe de Deus, Mãe de Deus Center, COR, Taquara, Santo Antonio da Patrulha, Campo Bom, Hospital Universitário e Hospital de Pronto Socorro de Canoas já contam com o outsourcing”, conta o gestor de TI. “A previsão de conclusão do novo projeto é dia 15 de maio”, detalha.
 
A implementação de certificação digital, com assinatura eletrônica para todos os médicos da rede, também se inclui nos investimentos de TI de 2011.

Em fase inicial, o projeto ainda não tem um fornecedor definido.

Por ano, o complexo hospitalar gaúcho investe, em média, 1,2% de seu orçamento geral em TI.

2010 focado em TIC
No ano passado, o grupo também investiu em VoIP, com interligação de todas as unidades, e na centralização dos contratos de telefonia.

“Antes, cada hospital tinha contratos individuais com suas operadoras. Hoje, temos a Oi para fixo, a Claro para móvel”, destaca Sahlberg.
Juntos, os dois projetos de Telecom garantiram à instituição de saúde economia de 52% em telefonia móvel e de 32% na fixa.

Nem só de médicos vive a rede hospitalar
Para cuidar de tudo isso, o Mãe de Deus conta com uma equipe interna formada por 23 pessoas, que ficam alocadas na sede, em Porto Alegre, e atuam em suporte, além de participar de projetos conjuntos, como no caso da parceria com a Grupen para virtualização.

Além disso, outros 12 colaboradores ficam distribuídos pelas unidades da Grande Porto Alegre, litoral e interior do estado para suporte de segundo nível.