Foto: http://www.flickr.com/photos/arnisd/4390672739/sizes/l/

A Senior Solution Financial Expertise acaba de adquirir o controle da Controlbanc, consultoria que atua na estruturação de instituições financeiras, desenho e implantação de novas áreas de negócios e revisão de processos operacionais.

“Com esta aquisição damos continuidade à estratégia de ampliar nossa carteira de produtos e serviços, permitindo expandir nosso negócio e impulsionando-nos para novos mercados”, afirma Bernardo Gomes, presidente da Senior Solution. “Nossa estratégia é atuar não só junto aos bancos, mas estender essa expertise para outros segmentos do setor”, complementa.

Segundo o executivo, marca da Controlbanc será mantida, assim como seu modelo de gestão atual - os sócios e fundadores permanecerão como acionistas e ocuparão posição na diretoria da empresa e no comitê consultivo da Sênior.

“Com essa estrutura poderemos compartilhar os conhecimentos para o desenvolvimento de novas soluções para o mercado”, observa Gomes.

Esta é a quinta aquisição realizada pela Senior Solution em cinco anos. Em 2005, houve a compra da NetAge, desenvolvedora de soluções para o mercado financeiro, e, em 2006,  a da Pulso, especializada em tecnologia para transações via meios eletrônicos.

Em 2007, integraram-se à Senior Solution a Impactools, fornecedora de soluções de seguro de vida e previdência; e a Intellectual Capital, focada em ferramentas para gestão de ativo e passivo de fundos de investimento, carteiras administradas e tesourarias.

As compras fazem parte de uma estratégia que prevê aquisições contínuas: há 60 empreendimentos no alvo, 13 deles em negociações que já ocorrem em diferentes estágios, segundo informações do ComputerWorld.

A ideia seria comprar uma empresa por semestre, nos próximos quatro anos.
 
Além disso, a Senior também prepara-se para abrir capital (IPO) ainda este ano, para financiar esse ciclo permanente de fusões.

Com isso, a empresa poderá passar de um faturamento de R$ 32 milhões em 2009, ou de R$ 45 milhões previstos para 2010, para cerca de R$ 400 milhões em três ou quatro anos, informa o ComputerWorld.