Tamanho da fonte: -A+A

A gaúcha Insoft4 assinou contrato de R$ 194,58 mil com a Infraero para o fornecimento do sistema de controle de frequência de pessoal da empresa.

Com sede em Sapiranga – a 51 quilômetros de Porto Alegre –, a companhia somará, de uma só vez, 13 mil novos usuários ao seu carro-chefe, o programa Ponto Soft, que hoje gere mais de 100 mil funcionários em todos os seus clientes.

Em termos financeiros, comenta o diretor técnico da Insoft4, Luciano Dietrich, valeu a pena.

“É o nosso maior contrato em 2011. Ele já pagou grande parte das contas esse ano”, prevê o executivo.

Classificação técnica
Homologado em 10 de fevereiro de 2011, contrato foi vencido em pregão. Os primeiros lances foram dados às 14h do dia 23 de setembro, de 2010. Eram cinco concorrentes, Rede Global, Sisponto, RápidoNet, Insoft4 e Totvs, com ofertas que iam de R$ 277,9 mil a R$ 308 mil.

Dados os lances iniciais, seguiram na disputa Sisponto, RápidoNet, Insoft4 e Totvs, sendo que a Sisponto, com orçamento de R$ 200 mil, ganhou. E a Insoft4?

“Como a vencedora foi desclassificada por questões técnicas, nós, os segundos colocados, fomos chamados para uma renegociação”, relembra Dietrich.

O valor final do contrato foi 2,71% mais barato que a oferta da Sisponto, e 25% menor que a oferta feita pela Totvs.

Bom para a Insoft4: “Será um contrato importante para atingirmos a nossa meta, de crescer 50% no faturamento, após um 2010 de resultados não tão positivos”, diz Dietrich.

Aquecimento futuro
No ano passado, relembra Dietrich, o setor ficou parado em função de indefinições do governo a respeito do ponto eletrônico.

Agora, com a portaria 1.510 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) vigorando a partir de 01 de setembro, a expectativa da Insoft4 é de aquecimento do setor.

Pela nova regulamentação, é obrigatória a impressão gráfica pelos relógios de ponto de todo o movimento de entrada e saída dos trabalhadores, além armazenar estes dados em memória testada e certificada, para não apagar ou alterar os registros.

O Ponto Soft, explica Dietrich, automatiza todo o processo de apuração do ponto eletrônico dos funcionários.

Módulos para controle de acesso e segurança, controle de refeitório, transporte e veículos, contratos e documentos e PPP, totalmente integrados, fazem parte do sistema completo da empresa.

“Na Infraero, por exemplo, controlaremos frequência, horas trabalhadas, ausências e horas extras dos funcionários”, especifica Dietrich.

Infraero e Insoft4
Com orçamento previsto de R$ 2,2 bilhões para esse ano, a Infraero, administra 66 aeroportos, 69 grupamentos de navegação aérea e 51 unidades técnicas de aeronavegação, além de 34 terminais de logística de carga.

Os terminais concentram aproximadamente 97% do movimento do transporte aéreo regular do Brasil.

Em número, isso equivale a 2,6 milhões de pousos e decolagens de aeronaves nacionais e estrangeiras, transportando cerca de 155,3 milhões de passageiros.

Fundada em 2000, a sapiranguense Insoft4 tem na carteira de clientes empresas como Randon, Marcopolo, Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS) e o Hospital São Lucas.