Executivas trocam multinacionais pela Inmetrics

26/10/2010 11:04

A Inmetrics, especializada em serviços de otimizações e testes para melhorias de produtividade em desenvolvimento de sistemas, pré ou pós-produção, acaba de contratar duas executivas vindas de multinacionais.

A companhia, 100% nacional, admitiu Carla Marchiori, ex-líder de Marketing na América Latina para empresas como Softtek (cinco anos), BearingPoint (quatro anos) e Unisys (quatro anos) para a diretoria de Marketing geral.

Tamanho da fonte: -A+A

A Inmetrics, especializada em serviços de otimizações e testes para melhorias de produtividade em desenvolvimento de sistemas, pré ou pós-produção, acaba de contratar duas executivas vindas de multinacionais.

A companhia, 100% nacional, admitiu Carla Marchiori, ex-líder de Marketing na América Latina para empresas como Softtek (cinco anos), BearingPoint (quatro anos) e Unisys (quatro anos) para a diretoria de Marketing geral.

A executiva já atuou na Inmetrics, em 2004. “Retornar, além de um novo desafio, significa qualidade de vida”, explica Carla.

Outra profissional que acaba de trocar a atuação em multinacionais pela companhia Inmetrics é Mônica Bryson, que já comandou equipes multidisciplinares, gerenciando projetos em diferentes tecnologias e no desenvolvimento de novos negócios de empresas como Deloitte (três anos), BearingPoint (atual CSC) e Unisys (sete anos).

Agora, ela assume a diretoria Comercial da Inmetrics.

“O principal desafio é o nosso posicionamento como fornecedor estratégico para clientes onde já temos atuação e relacionamento de longo tempo, demonstrando a maturidade do portfólio e expertise da equipe”, destaca Mônica.

Para o presidente da companhia, Pablo Cavalcanti, o mercado nacional está em um momento pós-execução de grandes projetos operacionais, em que são vivenciadas a fusão de empresas e a tentativa de utilizar o melhor de todo o ferramental disponibilizado pelas novas tecnologias.

“Porém, o nível de qualidade e maturidade dos ambientes torna-se foco de otimização”, pondera o executivo. “As iniciativas de TI, diretamente relacionadas ao uso de recursos, vão de encontro aos nossos objetivos, e trabalhamos atendendo o cliente naquilo que trará retorno mensurável.

Por isso as novas contratações são representativas”, complementa.
Nesse sentido, segundo Cavalcanti, as duas novas executivas agregam à empresa a experiência internacional e expertise de vários anos de mercado, agregando credibilidade ao negócio.

A Inmetrics conta com 200 funcionários, distribuídos nos escritórios de São Paulo, Campinas e no Chile.

A companhia atua como validadora independente de sistemas, atestando a qualidade de plataformas de missão crítica, precisando investimentos e otimizando processos com foco na redução de custos.
 

Veja também

Brasil lidera expectativa de contratações
Pelo terceiro trimestre consecutivo, o Brasil é o segundo país mais otimista quanto a contratações de funcionários entre 36 países pesquisados.

Já nas Américas, o país é o primeiro do ranking, com expectativa líquida de emprego de 38%, sete pontos acima do último trimestre, seguido pelo Peru e pela Costa Rica (23% cada), Argentina (18%), Colômbia (16%) e Panamá (15%).
TI: contratações a toda!
O setor de TI entrou em 2010 com força total na área de contratações.

Conforme uma pesquisa da gaúcha Produtive Outplacement e Planejamento de Carreira, o primeiro trimestre se mostra aquecido neste segmento, sendo que só em janeiro o nível de admissões na tecnologia cresceu 25% sobre o primeiro mês de 2009.
POA, a única do Sul a cortar contratações
Porto Alegre foi a única capital da região Sul a registrar queda no volume de contratações entre 2008 e 2009, segundo um levantamento divulgado pela Catho Online, empresa especializada em classificados online de currículos e empregos.

A pesquisa, que identificou as cidades que mais contrataram no Brasil em 2009, mostrou que, de 2008 para o ano passado, Porto Alegre caiu da terceira para a quarta posição entre as capitais nacionais.
Assespro-RS: multinacionais são ameaça
A atração de multinacionais de TI para o Rio Grande do Sul é uma “grande ameaça” para as companhias locais.

É o que aponta Márcio Luis Miorelli, presidente da Assespro-RS, em um artigo da última edição da newsletter da entidade, enviada nesta terça-feira, 11.
Multis brasileiras aumentam internacionalização
As vinte maiores empresas multinacionais brasileiras fecharam 2008 com aumento em seu nível de internacionalização, segundo o ranking divulgado na terça-feira, 04, pela Fundação Dom Cabral.

A pesquisa, patrocinada pela KPMG, revela que, em termos de ativos concentrados no exterior, as 20 maiores multis do país somaram US$ 201 bilhões em 2008, com crescimento de 32% em relação ao ano anterior.