Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini, através da subsidiária americana Stefanini TechTeam, acaba de abrir uma operação em Makati, na região metropolitana de Manila, nas Filipinas.

 
De acordo com nota, a nova unidade da empresa tem capacidade para 500 funcionários. A Stefanini não informou com quantos colaboradores a operação inicia.
 
As Filipinas foram escolhidas por possuir “ma força de trabalho altamente competitiva, treinada e com excelente proficiência em inglês, além de uma afinidade natural para a cultura ocidental e práticas de trabalho”.
 
Segundo a nota da Stefanini, Makati, cidade com 510 mil habitantes que é considerada o coração financeiro do país, também tem “um programa altamente desenvolvido de infraestrutura em TI, o que a torna um dos melhores destinos terceirizados offshore do mundo”.  
 
“Com um bom número de clientes, estavámos maduros o suficiente para aumentar a nossa presença e optar por instalações modernas que comportassem a nossa crescente demanda na região”, afirma Antônio Moreira, CEO da Stefanini na América do Norte & APAC.
 
Moreira é gaúcho, abriu a operação da Stefanini em Porto Alegre em 1997 e desde 2001 está nos Estados Unidos, onde iniciou a operação americana da companhia.
 
Com a compra da TechTeam por R$ 94 milhões em dezembro de 2010, o maior negócio já feito no exterior por uma empresa de TI brasileira, o profissional assumiu a nova Stefanini TechTeam.
 
Fundada em 1979 e sediada em Southfield, Michigan, a TechTeam tinha no momento da aquisição aproximadamente 2,2 mil colaboradores em todo mundo, fornecendo suporte de TI em 32 idiomas.
 
Internacionalização
A aquisição foi uma das responsáveis pelo salto da Stefanini no último  Ranking das empresas Transnacionais Brasileiras da Fundação Dom Cabral, no qual a empresa passou da 17ª para a 2ª colocação em uma listagem de 46 empresas.
 
No primeiro lugar, como já aconteceu no ano passado, ficou o frigorífico JBS.
 
A Stefanini afirma ter sido a primeira empresa brasileira de TI a abrir uma filial no exterior, com a inauguração da operação argentina em 1996.
 
Desde então, abriu filiais no Chile e no México, em 2000; no Peru, na Colômbia e nos Estados Unidos em 2001; na Espanha, Portugal e Itália, em 2003; no Reino Unido e na Índia, em 2006, e no Canadá em 2008.
 
Em 2010, a consultoria deu um salto no seu processo de internacionalização com a aquisição de duas empresas nos Estados Unidos (Tech Team e CXI) e uma na Colômbia (Informática & Tecnologia), passando a atuar em 27 países, contra os 19 anteriores.
 
Brasil x Filipinas
No ranking de 66 países do Índice de Competitividade do Setor de Tecnologia da Informação (TI), elaborado pelo Economist Intelligence Unit, o Brasil aparece a frente da das Filipinas, com uma nota média de 39,5 garantindo o 39º lugar (subiu um, na comparação ano/ano) contra uma nota de 27,9 e o 52ª posição dos asiáticos (queda de uma posição).